Pioneirismo fabricado apaga herança indígena em Rondônia

O conjunto de estudos reunidos no dossiê “A arqueologia do Alto Rio Madeira” publicado no Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas (vol. 15, no. 2), se concentra na ideia de que a arqueologia tem “papel fundamental em oferecer ferramentas para uma contranarrativa, através do estudo da materialidade” (ALMEIDA; MONGELÓ, 2020, p. 8).

Foto da capa de Escavações no sítio Novo Engenho Velho, Scientia Consultoria, 2011.

As tentativas de apagamento da herança indígena às quais os resultados de pesquisa apresentados no dossiê se contrapõem está relacionada a imposição de uma noção de moralidade pelo trabalho e de ocupação de um alegado “vazio amazônico”, por projetos de infraestrutura como a estrada de ferro Madeira-Mamoré no início do século XX e, na década de 1960, com a abertura da BR-364. A colonização do hoje estado de Rondônia, amparada pelas elites locais, definiu, que a ocupação do território ignorasse a diversidade ambiental e sociocultural igualmente.

Muitos pioneiros são lembrados na história da região: pioneirismo dos que chegaram ainda no século XVII para explorar as drogas do sertão, no caso, o cacau. Pioneirismo da onda que chegou no início do século XX para explorar recursos como a borracha; pioneirismo dos colonos dos anos 1960 chegados no rastro da abertura da BR-364 em estímulo à ocupação do “vazio amazônico”, programa do governo militar brasileiro. Mas ainda houve a exploração da cassiterita nos 1970 até se chegar ao pioneirismo mais recentemente fabricado.

De acordo com Fernando Almeida e Guillermo Mongeló (2020, p. 2) que organizaram o dossiê: “Os estudos têm demonstrado que, durante a longa história de ocupação humana, as dinâmicas sociais do alto rio Madeira esteve conectadas com o restante da Amazônia”. Para eles, o significado e a persistência de lugares se revelaram com potência na região do alto rio Madeira e usam o exemplo do sítio arqueológico Teotônio lugar de interações humanas com a natureza e com o sobrenatural, responsáveis pelo estabelecimento de “uma série de referentes espaciais que ajudaram na cognição das experiências vividas” (ALMEIDA; MONGELÓ, 2020, p. 5). Importante para os coletivos indígenas em tempos remotos, mas também significativos para os próprios pesquisadores: “o sítio já recebeu [em dez anos] seis campanhas de escavação e caminha para ser um dos mais pesquisados da história da arqueologia da Amazônia” (ALMEIDA; MONGELÓ, 2020, p. 5). Os estudos se multiplicaram na região com pesquisas em sítios como o sambaqui do Monte Castelo, no rio Guaporé (PUGLIESE, 2018; ZIMPEL NETO, 2018) e nos sítios do rio Ji-Paraná (SUÑER, 2015).

A ausência indígena, o seu silenciamento foi e ainda é parte da estratégia de Estado para instalar empreendimentos, explorar recursos e ocupar terras. A arqueologia expõe esse fenômeno e demonstra através da materialidade a história pretérita de presença humana e da ação antropogênica em regiões como o oeste amazônico.

Jimena Felipe Beltrão, Jornalista, Editora-científica do Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, PA, Brasil.

Referências

ALMEIDA, F. O. et al. Introdução: arqueologia dos ‘pioneiros’ e da diversidade do alto rio Madeira. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2020, vol. 15, no. 2, e20190080. ISSN: 2178-2547 [viewed 16 December 2020]. https://doi.org/10.1590/2178-2547-bgoeldi-2019-0080 . Available from: http://ref.scielo.org/ckj4gr

NEVES, E. G. et al. A arqueologia do alto Madeira no contexto arqueológico da Amazônia. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2020, vol. 15, no. 2, e20190081. ISSN: 2178-2547 [viewed 16 December 2020]. https://doi.org/10.1590/2178-2547-bgoeldi-2019-0081 . Available from: http://ref.scielo.org/vjggd7

PUGLIESE, F. A história indígena profunda do sambaqui Monte Castelo: um ensaio sobre a longa duração da cerâmica e das paisagens no sudoeste amazônico. 2018. 390 f. Tese (Doutorado em Arqueologia). Universidade de São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, SP, Brasil, 2018.

SUÑER, R. A.  Arqueologia Tupi no Médio Ji-Paraná (RO): teoria do não-equilíbrio dinâmico e abordagem multifocal dos processos de mobilidade populacional no Sudoeste Amazônico. 2015. 334 f. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 2015.

ZIMPEL NETO, C. A.  Na direção das periferias extremas da Amazônia: arqueologia na bacia do Rio Jiparaná, Rondônia. 2009. 245 f.  Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 2009.

Links Externos:

BMPEG. Ciências Humanas no Facebook: https://www.facebook.com/boletimgoeldiCH/

BMPEG. Ciências Humanas no Issuu: http://issuu.com/bgoeldi_ch/

Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas – BGOELDI: www.scielo.br/bgoeldi

Página do Boletim: http://editora.museu-goeldi.br/humanas/

PUBLICADO EM:     SCIELO EM PERSPECTIVA HUMANAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*