A Terceira Margem – Parte XCIII

Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte LXII

Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XIV 

Jornal do Comércio, n° 267 ‒ Rio de Janeiro, RJ
Sexta-feira, 25.09.1885
Publicações à Pedido 

Comunicação de Estudos da
Estrada de Ferro do Madeira e Mamoré 
(Conclusão…) 

[…] Três dias depois Pressy fez a viagem a Beni, lá demorou-se um mês e lá voltou quando já estávamos em Bananeiras; neste intervalo tínhamos feito a Moerbeck entrega das cadernetas que estavam em nosso poder de cerca de 40 km, eu calculava e desenhava, mas visto nunca combinar exatamente e dever ser o terreno inteiramente diferente, chamei a sua atenção, dizendo-lhe que com estes despropósitos havíamos de fazer um enorme fiasco, ao que ele respondeu-me:

‒  Jogue cadernetas e perfil no Rio, vamos fazer outras.

Mas não lancei ao Rio esses documentos, que me são agora de imensa importância. Então, deitados em nossas redes, fizemos outros desenhos, que também não são exatos, mas que Vm.ce tem agora em seu poder juntamente com o perfil, para, cientemente, apresentar ao Governo uma planta geral, que só se baseia sobre ilusões e fantasias!

A caderneta n° 3, que representa o terreno de Bananeiras a Guajará-mirim, só a pude copiar por ordem de Moerbeck, na viagem de volta das cadernetas n° 1 e 2, como facilmente se pode provar. Nunca passamos adiante de Bananeiras. Na ocasião que nos prepararemos todos para voltar a Santo Antônio, chegou inesperadamente Pressy, apenas viu-o chegar, Moerbeck embarcou a toda a pressa com alguns trabalhadores e seguiu Rio acima cerca de duas horas, aonde acampou. Assim, à sua chegada, disse-me Pressy que eu teria de seguir com ele no dia imediato, até encontrar Moerbeck para acabar depressa. O Coronel e Moraes ficarão atrás. No dia seguinte chegamos ao lugar em que Moerbeck pousou; este estava de cama como de costume, doente, quando se tratava de trabalhar.

Pressy […] ficou deveras ([1]) bem doente e voltou finalmente até o Rio Beni dizendo-nos que ia esperar-nos na casa do boliviano Roseno; encarregando a Moerbeck de fazer, com a maior brevidade, estes 36 a 40 quilômetros restantes e então segui-lo. Apenas retirara-se Pressy veio o Coronel, e convidou, aliás intimou a Moerbeck a acabar com toda esta insipidez ([2]) e imediatamente todos nós voltamos com grande regozijo e seguimos até a casa do negociante de borracha, Floris, aonde nos demorámos 10 dias, afim de que, como disse Moerbeck, Pressy nada percebesse.

No décimo dia, Moerbeck mandou-me adiante até Rio Beni, onde estava Pressy, que, quando me viu chegar, ficou furioso, dizendo que sabia tudo, que durante a sua ausência ninguém tinha trabalhado com os instrumentos nas picadas, que faltavam completamente mais de 36 quilômetros; que assim isso nem ideia de exploração era; que este Moerbeck tinha-se escondido conosco durante dez dias em casa de Floris para […] e que havia de dizer tudo a Pinkas e pedir a demissão daquele. Tudo isto me foi dito em presença do Capitão Roseno, de sua esposa e de toda a gente e Moraes.

Mandei imediatamente, por alguns homens, recado a Moerbeck, para que, ao menos, aprontasse e organizasse as cadernetas, visto estar Pressy tão furioso e ser sabedor de tudo: e, como consequência disto, Moerbeck, durante a noite e à neblina, passou além do ponto em que nos achávamos, tendo dirigido um ofício a Pressy, no qual o chamava de […] e fugiu, sem parar até chegar a Florida, onde só nos encontramos um mês depois.

No dia seguinte, isto é, no dia 10 de setembro, fizemo-nos de viagem [peço que se lembre bem e atenciosamente desta data].

Assim, no dia 9, Moerbeck passou Rio abaixo adiante de nós chegando, por conseguinte, no dia 20 de setembro, em Florida, pois que com à gente do Coronel [Guagama empreiteiro das picadas], viajou bem depressa, e no dia 7 de setembro teve lugar a exploração no Guajará-mirim, segundo o teu telegrama de Manaus ao Rio!!! Só!!! Provavelmente recebeu a notícia pelos ares, por balão! A não ser assim não se explica como Vm.ce, em Manaus, poderia ter esta notícia!

No dia 12 de setembro chegamos ao Ribeirão, onde afundou o nosso batelão; no dia seguinte chegou um boliviano que emprestou a Pressy um pequeno bote abandonando-me com a turma da seção, viajou até Florida, aonde chegou em 26 de setembro e de onde me enviou um batelão.

Atravessamos então o Ribeirão, achando-se do outro lado um batelão que a 3ª seção da turma ali tinha deixado; gastamos 14 dias para pô-lo à nado, o que só conseguimos com o maior trabalho, pois não tinha leme e estava meio escangalhado: a minha gente recusou seguir e passar com ele as cataratas, e queria, deixando tudo atrás, seguir a pé para até Florida.

Só a instâncias ([3]) e ameaças de que ninguém receberia salário em Manaus se lá chegássemos sem instrumentos e bagagens, consegui resolver a gente a seguir por água; todas as 28 pessoas estavam doentes […] e durante 25 dias completos só tivemos para comer feijão branco podre sem sal. Finalmente debaixo dos maiores perigos, sem prático e sem leme, conseguimos passar todas as correntes rápidas e cataratas do Rio até Três Irmãos, aonde veio ao nosso encontro o mordomo do Coronel com a sua gente, isto é, no dia 8 de outubro, que então me fez entrega de dois ofícios de Moerbeck datados de Florida, 26 de setembro.

Alguns dias depois em salto do Jirau, perdeu-se de novo o batelão nosso, que se afundou, mas finalmente chegamos sempre, como por milagre, em Florida, 37 pessoas numa montaria muito pequena. […] Pressy declarou francamente a sua opinião e é isto hoje também convicção de todos, que Vm.ce Sr. Pinkas deveria saber muito bem que era uma impossibilidade que a 4ª turma-seção, sem ter engenheiros propriamente ditos, numa viagem de uma distância dobrada, de mais de 80 quilômetros, acabasse o trabalho no mesmo espaço de tempo que os outros, que apenas tinham a fazer 40 quilômetros, que

se Vm.ce não o soubesse seria ainda uma triste prova do seu talento organizatório como engenheiro, e o governo e poderia ter da mesma forma encarregado e mandado como chefe um sapateiro.

São as próprias palavras de Pressy. […]

Continuemos a viagem até Manaus e só durante esta viagem acabei a caderneta n° 3, assim como Moerbeck as suas de alinhamento. É verdade que todas esta cadernetas não são agora mais precisas, pois Vm.ce já tem a planta dos ingleses!!! Todos os membros da Comissão sabem já tudo o que aqui disse a Vm.ce mas nenhum deles tem motivos para trazer à luz do dia este seu procedimento. […]

Me é muito fácil provar, com mais de cinquenta testemunhas, que pessoa nenhuma foi além de Bananeiras e por certo não existe picada alguma, e […] posso confirmar perante Deus e todo o mundo toda estas minhas declarações. Veremos se Vm.ce ou Moerbeck serão capazes de fazer o mesmo […] Sou etc. [assinado] José Nehrer.

Reconheço verdadeira a firma supra. Rio de Janeiro, 13 de junho de 1885. Em testemunho da verdade [assinado] Carlos Fortes de Bustamante e Sá. [Estava o sinal público do Tabelião]

Nada mais continha a dita carta que fielmente verti do próprio original escrito em alemão ao qual me reporto. Em fé do que passei a presente que assinei e selei com o meu selo de ofício nesta cidade do Rio de Janeiro, aos 17.06.1885.

[assinado] Johannes Jochim Christian Voigt, tradutor público juramentado. N° 13.385. Pagou de emolumentos 28$000.

—-XXX—

Florida, no Alto Madeira, 26 de setembro de 1884.

Ilm° Sr. ‒ Não convindo que fiquem embarcações da Comissão espalhadas pelas margens do Rio Madeira, comunico-lhe que caso o batelão que está no Salto do Jirau e que pertence à Comissão não possa servir mais, deve mandar quebrá-lo de tal maneira que ninguém se possa servir dele, fazendo o mesmo ao da turma.

Deus guarde a V. S. ‒ [assinado] Engenheiro Ignácio Moerbeck chefe da 4ª turma. ‒ Ilm° Sr. José Nehrer desenhista.

—XXX—

Sr. Nehrer. ‒ Mande examinar o batelão da turma e o outro que está no Salto do Jirau e se não prestam mais, mande quebrar todos os dois que é para os bolivianos não se aproveitarem deles. Eu respondo por tudo. Seu amigo. ‒ [assinado] Moerbeck. José Nehrer.

—xxx—

Responsabilizo-me, na forma da lei, pela publicação deste artigo. Rio de Janeiro, 23.09.1885. ‒ José Nehrer. Rua do Carmo n° 15. Reconheço a firma supra. Rio. 23 de Setembro de 1885. ‒ Carlos Fortes de Bustamante Sá. [Em testemunho da verdade estava o sinal público.] (JC, n° 267)

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 23.11.2020 –  um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Bibliografia 

JC N° 267. Comunicação de Estudos da Estrada de Ferro do Madeira e Mamoré – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – Jornal do Comércio n° 267, 25.09.1885.

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

[1]    Deveras: realmente.

[2]    Insipidez: coisa sem graça e enfadonha.

[3]    Instâncias: objeções veementes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.