A Terceira Margem – Parte LVII

Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XXVI

Projeto-aventura Desafiando o Rio-mar

Viagem da “Real Escolta” – XIII 

DÉCIMA CACHOEIRA (Madeira) 

Compõe-se esta Cachoeira ([1]) de vários morros de pedras em forma de Ilhetas com arvoredo silvestre, e outros escalvados em quase semelhante postura e qualidade aos que há na Cachoeira antecedente, antes de chegar aos maiores saltos dela. Também atravessam o Rio de uma e outra parte com a circunstância que, pela direita, não oferecem passagem em Rio já crescido, porque a ela se inclina o maior peso de água, com o qual rompendo por entre uns penedos, e encapelando-se por cima de outros, forma estranhas correntezas insuperáveis à força e indústria.

Pela margem esquerda, se mostra mais tolerável entre as pedras talhadas mal cobertas de água e a terra firme; que também tem a sua ribanceira de mal composta penedia. No último remate de tanto rochedo bronco, há duas Ilhas lançadas de uma a outra parte do Rio rumo quase de Leste/Oeste, por entre as quais forma o Rio três canais, sendo o mais impetuoso, e mais terrível, o da parte Ocidental, como acima se declara. A formatura destas Ilhas no seu fundamento é tudo penedos, sobre os quais, havendo alguma tal ou qual planície, deram lugar a que a terra se introduzisse com a inundação do Rio para nelas produzir arvoredo frondoso de alegre representação aos olhos.

No dia 23.01.1750, se fez viagem no rumo de Susudoeste, costeando à esquerda, e com meia hora de caminho se encontraram as primeiras pedras da Cachoeira acima mencionada chamada Vainumu ([2]), e com o trabalho da corda pondo as canoas com meia carga, se venceu aquele primeiro impedimento, e também o segundo que logo se seguiu, e ultimamente o terceiro que juntos fizeram um dia de impertinente trabalho, e que se andaria um quarto de légua; e é o que esta Cachoeira terá ao comprimento do Rio, ou pouco mais, porque ele finalizava na realidade nas duas Ilhas acima relatadas.

Dia 24.01.1750, passadas as Ilhas no rumo de Susudoeste, com duas horas de caminho se avistou a Boca do Rio Beni ([3]), para a qual se atravessou, e se portou nele da parte de dentro para se averiguar o que fosse possível da sua direção. Feita naquele lugar a observação da altura, se achou desembocar o Rio Beni no Madeira em 12° ([4]) de elevação Austral. A sua entrada é no rumo de Susudoeste, e navegando pelo mesmo Rio cinco horas, se achou ser aquele rumo o mais frequente, do qual parece trará a sua origem. É bastantemente caudaloso, e quase de igual correnteza ao Madeira, em que faz a sua entrada pela margem Ocidental com 800 braças ([5]) de embocadura [ao parecer]. As suas águas são barrentas por causa da muita terra que nas enchentes cai das suas ribanceiras, que são mui semelhantes em altura e arvoredo às do Madeira. Com este poderá o Beni disputar a maternidade das águas, se o Madeira não mostrasse que continua no seu rumo com as suas Ilhas e Cachoeiras na mesma direção que leva até aquele lugar, e justamente ser o Madeira de maior largura, e trazer mais água naquela parte em que recebe o Beni, que, com efeito, ali perde o nome e ser de Rio.

Por este Rio Beni não há documento ou tradição, por onde conste que fosse navegado por Portugueses, nem Castelhanos, porque estes em cujas terras nasce o Beni, ignoravam até o ano de 1713 o verdadeiro destino deste Rio, pois supunham que ia desembocar no Amazonas sem concurso de outras águas, e os Portugueses que subiram no ano de 1723 até Santa Cruz de los Cajubabas, e outros que antecedentemente haviam ido a negociar gentio, não entraram por este Rio a diligência alguma; em cujos termos será razão que aqui se relate alguma notícia, ainda que seja abstrativa das origens deste Rio, segundo consta de um Mapa impresso no referido ano de 1713, suposto que a graduação dele não devia de ser a mais exata porque além de se não conformar com as Cartas Gerais Geográficas, padece uma grande equivocação nos graus de Latitude a respeito da que se fez nesta ocasião; por que o Autor do dito Mapa descrevendo nele o Rio Beni, o supõe ainda tal na altura de 11° de elevação Austral, ao mesmo tempo que pela observação no dito dia de 24.01.1750 se acha que na altura de 12° se perde no Madeira, como acima fica expressado.

Das serras do Peru, paralelo à Cidade de Paz, em altura de 12° ao Sul, se mostra ter nascimento o Rio Beni que, discorrendo por entre a mesma serrania se junta com o Chuquiabo, que vem da dita Cidade que fica ao nascimento do Beni à parte do Ocidente; juntos os dois Rios se forma já o Beni mais caudaloso por entre as mesmas serras até a altura de 15°, donde, correndo por terra plana, vem desembocar no Madeira na parte acima mencionada. Em toda a margem deste Rio de uma e outra parte, não mostra haver até aquele ano de 1713, mais Povoação do que uma Aldeia chamada os Reis, habitada de três mil pessoas de um e outro sexo e idade. Mais ao centro à parte Oriental dos Reis, havia outra da invocação de S. Paulo, povoada de duas mil e setecentas pessoas. As nações de gentio que habitam no Distrito do Beni se nomeiam Romanos, Chumanos, Chriribas e Toromanas. Pela parte do Poente, descem das serranias algumas ribeiras que vêm a incorporar-se com o Beni, onde este já discorre por planície, que são Apioana e Amantala, e há nos seus Distritos entre as montanhas três povoações, que são Apolobamba, S. João e Pelechuco desde a altura de 15°30’ de Latitude até aos 14°40’. Recebe também as águas da Ribeira chamada Enin, que traz a sua origem das vizinhanças da Cidade de Cusco, situada em 13°20’ de Latitude, e em 301° de Longitude. Feita a observação, e navegando em canoa ligeira cinco horas Rio acima o dito Beni, dele saímos no dia 25.01.1750, por volta da uma hora da tarde, seguindo derrota costeando a margem direita no rumo de Susueste e Sul, e neste rumo se achou estar a Cachoeira Tejuca.

DÉCIMA TERCEIRA CACHOEIRA (Tejuca)  

É conhecida esta Cachoeira com a denominação de Tejuca ([6]): consiste o seu composto em quantidade de pedras não muito grandes, que atravessam o Rio de uma para outra no turno de Nordeste e Sudoeste; e como se achava já quase arrasada de água, deu fácil passagem à sirga pela margem direita que se navegava. Em cujos termos, com 5 horas de caminho nos rumos mencionados, portaram as canoas junto à Cachoeira chamada dos Javalis ([7]); e se andara légua e meia desde a Boca do Beni até este lugar.

DÉCIMA QUARTA CACHOEIRA (Lajes) 

Dia 26.01.1750, neste dia se não fez mais do que passar a Cachoeira mencionada até o meio-dia, a qual consiste em se oporem ao Rio duas Ilhas rodeadas de grandes lajeados de pedra, uma enseada à margem, e outra à esquerda no mesmo rumo da antecedente, Nordeste e Sudoeste.

Estas duas Ilhas se comunicam com vários penedos, e lançam outros Rio abaixo em distância mais de 800 braças ([8]), de sorte que, querendo o Rio fazer caminho por entre estes impedimentos, forma três canais, um entre a ribanceira da parte direita e a Ilha, estreito e de medonha correnteza; outro no meio, em que a água, em vários precipícios, faz impraticável o seu trânsito; e outro entre a Ilha da parte esquerda e a terra mais favorável ao intento da passagem, porque somente oferecia duas correntezas junto à terra, pelas quais descarregadas as canoas, se podiam levar à sirga.

Assim se executou no dia referido até às duas horas da tarde, e pelas três se continuou viagem no rumo de Sudoeste, e nele, com meia légua de caminho, se encontrou 15ª Cachoeira ([9]), junto da qual portaram as canoas para, no dia seguinte, se empreender a sua passagem.

DÉCIMA QUINTA CACHOEIRA (Pau Grande) 

Bastantemente intrincada se achou ser esta Cachoeira chamada dos Papagaios ([10]), porque a formou a natureza, lançada de uma a outra parte do Rio no rumo de Oesnoroeste e Lessueste, composta de Ilhas rodeadas de rochedos e pedras monstruosas, que passam de umas às outras Ilhas com mui irregulares posições; por cuja razão o Rio se achava precisado a romper estes embaraços por modo quase estranho à propriedade de sua corrente, pois em partes se atravessava a vários rumos com oposição de umas com outras águas até saírem por entre os últimos penedos com ruidosa fúria e espumosa braveza. Apenas ofereceu um canal encostado à margem direita entre a ribanceira formada de alta penedia e uma Ilha encostada à mesma parte, por entre a qual corria menos furiosa a água, por não ser ainda muita a que propendia para esta parte, razão porque estavam as pedras mal cobertas, que foi preciso estivá-las de madeiros para sobre eles se puxarem as canoas descarregadas.

No dia 27.01.1750, se executou a empresa sobredita com grandíssimo trabalho, que consumiu o dia inteiro daquele penoso serviço e, com efeito, no mesmo dia ficaram as canoas transportadas à parte de cima da Cachoeira, que terá um quarto de légua de distância ao comprimento do Rio.

No dia 28.01.1750, se prosseguiu viagem costeando à parte direita no rumo de Sueste e nele, com pouco mais de uma hora de caminho, se achou a Cachoeira chamada Das Cordas ([11]), que atravessa o Rio de uma e outra ribanceira no rumo de Noroeste e Sudoeste; e, por ter já quase todas as pedras no fundo se passou a remo vencendo somente duas correntezas entre a margem Ocidental e uma Ilha das que formam as mesmas Cachoeiras.  (G. FONSECA, 1826) (Continua…)

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 02.10.2020 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Bibliografia  

FONSECA, J.. Notícias para a História e Geografia das Nações Ultramarinas – Portugal – Lisboa – Academia Real das Ciências – Coleção de Notícias para a História e Geografia das Nações Ultramarinas, que Vivem nos Domínios Portugueses, ou lhe são Vizinhas, Volume 4, n° 1, 1826.  

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

[1]    Cachoeira: Madeira – 10°21’38,9” S / 65°22’49,4” O.

[2]    Vainumu: Madeira.

[3]    Boca do Rio Beni: 10°22’55,1” S / 65°23’40,5” O.

[4]    12°: 10°23’.

[5]    800 braças: 1.760 m.

[6]    Tejuca: 10°25’05,6” S / 65°22’45,1” O.

[7]    Javalis: Lajes ‒ 10°26’50,8” S / 65°23’39,1” O.

[8]    800 braças: 1.760 m.

[9]    15ª Cachoeira: Pau Grande.

[10]  Papagaios: Pau Grande – 10°28’01,7” S / 65°25’18,0” O.

[11]  Das Cordas: 10°29’03,3” S / 65°25’48,3” O.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.