MPF vai à Justiça para suspender audiência pública virtual sobre mina da Vale no Pará

Ibama se recusou a acatar recomendação e agora Justiça vai decidir. Falta de divulgação e pandemia impedem a participação dos atingidos.

Arte: Secom/MPF

Uma audiência pública sobre uma mina da Vale em Parauapebas, no Pará, está sendo realizada nesta quinta-feira (8) de maneira virtual e sem ter havido divulgação para os atingidos, principalmente moradores de áreas rurais e aldeias indígenas que sequer têm acesso a internet. Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Trabalho (MPT) e Ministério Público do Estado do Pará (MP/PA) haviam recomendado na semana passada que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), suspendesse a audiência pela impossibilidade de participação da população, mas o órgão se recusou a cumprir a recomendação. Agora, o MPF vai tratar do assunto na Justiça Federal, onde ajuizou ação civil pública pedindo a suspensão ou a nulidade da audiência pública.

A ação pede ainda que o Ibama seja proibido de promover novas audiências públicas até que haja possibilidade de participação efetiva, segura e presencial das comunidades afetadas pela mina N3 da Vale, projetada para funcionar um platô da Floresta Nacional de Carajás, no sudeste do Pará. A participação do povo indígena Xikrin do Cateté e da comunidade de Catadores de Jaborandi, especialmente afetados pela nova mina, foi prejudicada porque essas comunidades não têm fácil acesso à internet de qualidade, tampouco familiaridade com os instrumentos tecnológicos necessários para acompanhar o evento. Ainda que a Vale S/A tenha estabelecido pontos para transmitir a audiência virtual, essas comunidades pertencem ao grupo de risco da covid-19, razão pela qual sua presença física em tais locais é desaconselhada.

A ação do MPF informou à Justiça que o agendamento do evento pelo Ibama não cumpriu as formalidades legais exigidas, não garante a participação das comunidades afetadas e cria dificuldades para que as instituições de controle cumpram seu papel constitucional. O MPF foi informado do evento com apenas cinco dias úteis de antecedência, o MPPA com apenas três dias úteis de antecedência (em convite onde o horário da audiência estava incorreto) e o MPT nunca recebeu convite, o que viola frontalmente a resolução número 9/1987, do Conselho Nacional do Meio Ambiente, que disciplina a realização de audiências públicas em processos de licenciamento ambiental.

De acordo com a resolução, o órgão licenciador – no caso, o Ibama – é obrigado a realizar audiências públicas quando solicitado pelos órgãos de controle e de comunicá-los oficialmente em correspondência registrada sobre a realização. Foi o que fizeram o MPF, MPT e MPPA, requisitando audiência pública sobre o projeto no primeiro semestre de 2020 e destacando que o evento deveria ser planejado a partir das limitações impostas pela pandemia do novo coronavírus. No dia 10 de julho, o Ibama respondeu aceitando a realização da audiência e informando que não havia definição quanto ao modelo e à data de realização da audiência pública, justamente em razão da pandemia.

O Ibama também falhou em informar o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela gestão da Flona de Carajás, local de funcionamento da nova mina da Vale. Ao questionar o órgão sobre estudos técnicos que tivesse produzido para a audiência pública, o MPF recebeu como resposta que só tinha sido informado do evento no dia 15 de setembro, através de ofício da empresa. “Desta forma, ainda não recebemos comunicação formal do órgão licenciador Ibama, bem como não foi encaminhada solicitação formal de manifestação para emissão da autorização de licenciamento ambiental para o empreendimento”, dizia a resposta do ICMBio.

Apesar de não existirem ainda estudos detalhados, a área que a Vale pretende explorar é de floresta preservada com características ecológicas únicas, lar de espécies endêmicas, ou seja, não encontráveis em nenhum outro ecossistema no mundo. “Tais características evidenciam o completo descabimento da realização da audiência pública virtual sem a observância das regras de comunicação aos órgãos ministeriais”, diz a ação judicial.

Quem também mostrou preocupação com o novo empreendimento da Vale foi a Assembleia Legislativa do Pará que, em documento enviado ao MPF em junho de 2020 considerou a realização de audiência pública em meio a uma pandemia como decisão sem razoabilidade e pediu ao MPF que recomendasse a suspensão de todo o licenciamento da mina N3.

Para piorar a situação, o MPF aponta na ação a ausência de divulgação da audiência pela empresa. O dever de informar de maneira efetiva as comunidades afetadas e interessadas sobre a realização de uma audiência pública dentro de um licenciamento ambiental é do empreendedor interessado. Além de não comunicar as comunidades nem fazer divulgação na imprensa, a Vale colocou alguns outdoors em Parauapebas onde não constavam nem a data, nem o local do evento.

Comunidades diretamente afetadas não foram sequer informadas. É o caso dos coletores de Jaborandi da Área de Proteção Ambiental do rio Gelado, que os estudos de impacto ambiental atestam que perderão o sustento por causa da derrubada da floresta onde coletam o principal produto para sua sobrevivência. As deficiências na divulgação da audiência pública constam inclusive em parecer técnico do próprio Ibama que pediu que várias instituições e comunidades fossem devidamente informadas. A Vale não cumpriu o pedido e mesmo assim o órgão licenciador deixou prosseguir o evento.

“Lamentavelmente, a cultura político-institucional brasileira tende a tratar a audiência pública como mera etapa formal do processo de licenciamento, quando não um empecilho para a sua rápida conclusão. O que não se percebe é que, ao contrário, participação das comunidades afetadas qualifica a atuação dos órgãos públicos e, em verdade, é efetivo instrumento de gestão de políticas públicas, já que a participação das comunidades afetadas permite aos órgãos públicos identificar impactos inicialmente não antevistos ou subdimensionados pelos órgãos ambientais”, diz a ação do MPF.

Processo nº 1004235-61.2020.4.01.3901 – 2ª Vara da Justiça Federal em Marabá (PA)

Veja a íntegra da ação judicial

Consulta processual     

Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação
(91) 3299-0148 / 3299-0212
(91) 98403-9943 / 98402-2708
saj.mpf.mp.br
mpf.mp.br/pa
twitter.com/MPF_PA
facebook.com/MPFederal
instagram.com/mpf_oficial
youtube.com/canalmpf

Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.