Unidades de conservação podem ajudar no desafio de preservação da Amazônia

Segundo pesquisadora, ambiente gigantesco, desmatamentos e paisagens fragmentadas impedem automanutenção da floresta

Rondônia. Foto: Cecília Bastos/USP I- Jornal da USP – Rádio USP

O programa Ambiente É o Meio desta semana conversa com a bióloga e pesquisadora Rita Mesquita, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), sobre a redução da biodiversidade em paisagens fragmentadas pelo desmatamento da floresta amazônica.

Segundo Rita, uma das medidas para conter a perda de biodiversidade da floresta é a criação de unidades de conservação. Diz que estas são responsáveis não apenas pela manutenção da variedade biológica da Amazônia, mas também pelo “modo de vida das nossas populações tradicionais”.

Para a bióloga, “o desafio é guardar uma amostra de toda essa riqueza em áreas protegidas de diferentes categorias”, pois existe no imaginário popular a ideia de que a floresta é um ambiente homogêneo e imutável, dificultando a concessão de espaços destinados à conservação.

Conta que a Amazônia é um território composto de “mosaicos de unidades ecológicas onde se desenvolveu biodiversidade própria” e que, com a fragmentação causada pela intensa onda de desmatamentos, a capacidade de auto-manutenção da floresta tem sido afetada. “O desafio da conservação nesse ambiente é gigantesco e nós estamos muito aquém do necessário”, afirma.

Áudio disponível em: Unidades de conservação podem ajudar no desafio de preservação da Amazônia – Jornal da USP

Ouça no player acima o programa Ambiente É o Meio. 

PUBLICADO EM: JORNAL DA USP – RÁDIO USP 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.