A Terceira Margem – Parte XXIII

Momentos Transcendentais no Rio Amazonas I
Manaus, AM/ Santarém, PA ‒ Parte VII 

Partida para Santarém (21/22.01.2011)

Voltamos por volta das 17h00 da Morada dos Deuses, embarquei no caiaque e remei uns 15 km até anoitecer ‒ a distância até Santarém era de 85 km, muito longa para ser vencida até o início da tarde. Pernoitamos em um local infestado de carapanãs.

Programei a saída para as 05h00 mas, como acordei mais cedo, preocupado com a longa jornada que se avizinhava, acabei partindo por volta das 04h35. Era um trecho diferente do programado, os atalhos pelas lagoas infestadas de canaranas impediriam minha progressão e tive de adotar o trajeto normal das embarcações. Sem referência alguma, eu naveguei na esteira do Piquiatuba, não tendo noção das distâncias a serem enfrentadas.

Partimos, inicialmente, rumo Leste, afastando-nos cada vez mais de nosso objetivo até que, finalmente, rumamos para o Sul até encontrar o Braço Setentrional do Amazonas que depois de uma grande curva voltada para o Sudoeste, apontou diretamente para Santarém. Somente a uns 30 km de distância, quando as nuvens se dissiparam, é que pude avistar a Serra de Piquiatuba, ganhei novo ânimo e imprimi um ritmo mais forte já que agora tinha a noção exata do meu destino.

 

Eu tinha avisado ao Coronel Eng Aguinaldo da Silva Ribeiro, Comandante do 8° Batalhão de Engenharia de Construção (8° BEC), que nossa chegada seria por volta das 15h00 mas, como tinha navegado à noite, pedi ao Sargento Barroso para comunicar que chegaríamos mais cedo, por volta das 13h00.

Próximo a Santarém, aportamos para aguardar que os repórteres, oficiais e familiares do Batalhão embarcassem na Balsa Rondon (embarcação do 8° BEC) e se deslocassem para acompanhar nossa chegada. Aproveitei para tomar um banho, colocar a camiseta do Grupo Fluvial do 8° BEC e o boné de minha turma da AMAN, cedido pelo Coronel Eng Carlos José Sampaio Malan.

Alertados de que a Rondon estava a caminho, reiniciamos a navegação. Foi uma recepção apoteótica, além de meu grande amigo Aguinaldo, seus oficiais e familiares, as equipes de reportagem da Bandeirantes, Globo e Record aguardavam-nos para as entrevistas.

 

No Batalhão, depois do banho, fomos brindados com diversos “mimos” e um especial que muito me emocionou, uma placa com o brasão do 8° BECnst e miniaturas de um trator e de um caiaque confeccionados especialmente para aquela ocasião.

Comentei com o Aguinaldo meu desejo de visitar o Rio Tapajós e o Rio Cupari ao que ele de pronto autorizou. Quero deixar, mais uma vez, registrado meu agradecimento ao meu ex-Cadete 44 – Aguinaldo e a seus subordinados pelo apoio fundamental para que a 3ª Fase da jornada do Desafiando o Rio-Mar fosse coroada de pleno êxito e com muito conforto e segurança.

 

Nosso Bom Amigo 

Nos idos de 1980 e 1981, tive a rara honra e o feliz privilégio de comandar um pelotão de Cadetes de Engenharia da AMAN. Eram 28 jovens entusiastas de todas as origens, matizes, ideários, formação e, aos poucos, fomos, juntos, formando um grupo solidário e competente que mais tarde iria prestar relevantes serviços ao Exército Brasileiro e à nossa querida nação. Recebi, com muito orgulho, no ano de sua Declaração de Aspirantes, em 1982, uma bela homenagem materializada em uma das páginas da Revista Agulhas Negras em que eles me chamavam de “Bom Amigo” e diziam ter sido eu um amálgama que unira aquelas tão distintas criaturas em prol de um único propósito – trabalhar incessantemente pela construção de um país mais justo e perfeito. Emoldurei a página e a trato, desde então, como um troféu, um galardão que me serve de inspiração e estímulo sempre que vivencio momentos difíceis na minha vida.

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 17.08.2020 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;  

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.