A Terceira Margem – Parte XXII

Momentos Transcendentais no Rio Amazonas I
Manaus, AM/ Santarém, PA ‒ Parte VI

Morada dos Deuses

Na noite de 18.01.2011, eu e o Teixeira participamos de uma ágape oferecida pelos gentis Irmãos da Loja Força e Harmonia n° 19 do Oriente de Óbidos. Recolhemo-nos cedo, tendo em vista que a jornada fluvial começaria antes do alvorecer.   

Partida para Alenquer (19/20.01.2011)

Alenquer, Vila considerável, abastada e bem situada sobre o desaguadouro central do Lago Surubiu, quatro léguas longe do Amazonas, e treze ao Norte de Santarém. É terra infestada do mosquito carapanã: a sua Matriz demanda a Santo Antônio. Seus habitantes cultivam mandioca, milho, arroz, tabaco, e ótimo cacau, sua principal riqueza. A carne de gado, que se cria no seu contorno, é deliciosa. (CASAL)

Partimos às 05h30, do dia 19; como ainda estava muito escuro, liguei minha lanterna e parti, colado na margem esquerda, imprimindo um ritmo forte, rumo ao Paraná-mirim de Óbidos. Depois de remar 20 km, durante duas horas, avistei meu primeiro ponto de referência: a ponta Oeste da Ilha do Meio. Continuei remando próximo à margem direita e adentrei pelo Paraná do Piaba, mantendo a média dos 11 km/h.

Cheguei ao destino programado, a 46 km de Óbidos, por volta das 10h20 e decidi continuar remando para encurtar a jornada do dia seguinte, prevista para 56 km. Chamei a equipe de apoio pelo rádio e informei minha decisão de continuar remando até o meio-dia quando escolheríamos um local adequado para aportar o Piquiatuba.

As águas calmas e espelhadas, a brisa suave e fresca e a chuva fina e refrescante anunciavam que nossa estada na Morada dos Deuses seria bastante agradável. Por volta das 11h40, aportei concluindo um trajeto de 61 km, na Comunidade Centro Comercial.

Partimos às 05h30, do dia vinte, rumo a Alenquer. O trajeto era curto, de aproximadamente 40 km e decidi remar sem paradas, somente ingerindo água e frutas em curtas paradas sem aportar. A chegada em Alenquer, às 10h00, teve apoio da mídia local e uma recepção sem precedentes pelos Irmãos da Loja Fraternidade Alenquerense, capitaneados pelo Venerável Emanoel Lopes Bentes, do Presidente da Câmara de Vereadores e do Prefeito Interino.

Visita à Morada dos Deuses (21.01.2011)  

Conforme acordado no dia anterior, foi colocado um micro-ônibus à nossa disposição a partir das oito horas para visitar a Morada dos Deuses, mas a chuva que havia caído a noite inteira, e até o momento da partida não dera trégua, obrigou-nos a transferir a saída para as 13h00. Acompanhados pelo filho do dono da propriedade, o Irmão Maçom Márcio Monteiro, finalmente chegamos à Morada dos Deuses.

O nome não poderia ser mais adequado, as magníficas formações de arenito impressionam pela diversidade de formas, impregnando o local de uma profunda energia telúrica e um forte apelo místico convidando à meditação e à contemplação das belas obras de arte moldadas, pessoalmente, pelas mãos do Grande Arquiteto do Universo. Grandes monólitos de pedra quadrangulares dispostos horizontalmente um ao lado do outro lembram túmulos de antigos deuses. A explicação de alguns especialistas para as curiosas esculturas naturais seria a de que a região fora antes um Rio caudaloso que, paciente e esmeradamente, esculpira as curiosas formações. Mesmo concordando com essa explicação seja a verdadeira, o fato é que as águas nada mais foram do que um fluído pincel nas mãos do Supremo Arquiteto.

Bibliografia  

CASAL, Manoel Ayres de. Corografia Brasílica ou Relação Histórico Geográfica do Reino do Brasil – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – Imprensa Régia, 1817.

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 14.08.2020 –  um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;  

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.