Pan-Amazônia: um milhão de infectados, quase 26 mil mortos

O número de pessoas em extrema pobreza na América Latina deve atingir 96 milhões até o final de 2020, um aumento de 28 milhões a partir de 2019.

Se existe uma região onde a pandemia da COVID-19 está tendo as consequências mais graves, é na Pan-Amazônia. Os números oficiais, coletados pela Rede Eclesial Pan-Amazônica – REPAM, nos dizem que o número de infectados já ultrapassou um milhão e está chegando a 26 mil mortes, um número assustador, se considerarmos que estamos falando de uma população de 33 milhões de pessoas. Se fosse um país, seria o quarto com mais infecções no mundo e o décimo com mais mortes. No caso dos povos indígenas, o último relatório semanal fala de 47.623 infecções e 1.556 mortes.

O primeiro relatório da REPAM, elaborado em 17 de março, listou 24 casos confirmados e uma morte. Poderíamos dizer que as primeiras semanas, vistas como a propagação da doença evoluiu posteriormente, foram relativamente calmas. Em 30 de abril, os números foram 20.471 casos confirmados e 1.257 mortes, momento em que ocorreu a decolagem definitiva, especialmente no número de pessoas infectadas, já que em 23 de maio, o número de casos ultrapassou 100.000 e a partir daí, a cada 12 dias, em média, o contágio somou mais 100.000 casos. Na verdade, em cerca de 100 dias, o número de pessoas infectadas passou de 100.000 para um milhão. Quanto ao número de mortes, os meses mais difíceis foram maio e junho, com um pouco mais de 6.500 mortes em cada um desses dois meses, embora não possamos dizer que em julho e agosto tenha havido uma diminuição significativa.

As pandemias fazem parte da história da Pan-Amazônia, como momentos trágicos que têm dizimado os povos originários nos últimos séculos. Os invasores, sempre ansiosos para se apropriar dos recursos da região, viram nos povos originários um empecilho para seus planos. Isto é algo que se perpetua hoje, mesmo com o apoio de diferentes governos, que não só deixam de cuidar daqueles que deveriam ser cidadãos plenos, garantindo políticas públicas básicas de saúde, educação e proteção, mas também fecham os olhos aos ataques dos donos do capital, que depredam os recursos, deixando um rastro de morte e destruição, agora também o rasto da COVID-19.

Neste tempo de pandemia, esta fúria para devastar a Amazônia não só não parou, como podemos dizer que ela aumentou, sendo uma das principais causas de contágio nos cantos mais remotos. Os destruidores da Amazônia não estão em quarentena, eles aproveitam até mesmo o medo daqueles em quarentena para devastar os recursos, secularmente preservados pelos povos originários. A mineração ilegal, os incêndios e o corte ilegal de madeira são alguns exemplos de uma situação cada vez mais trágica e sem perspectivas de uma solução a curto prazo.

Ninguém pode negar o papel da Igreja Católica, ao longo dos últimos meses, em conter os efeitos desta cruel pandemia na Pan-Amazônia. Em primeiro lugar, ao reunir os números oficiais, que mostram a dimensão da situação, embora seja verdade que o sub-registro dos diferentes governos é algo evidente, também ao denunciar profeticamente o abandono e os ataques aos quais os povos amazônicos são submetidos, com notas e posições diferentes sobre o assunto, mas acima de tudo ao cuidar dos mais pobres com coisas básicas. Nos diferentes países, a Igreja tem realizado campanhas para fornecer oxigênio, alimentos, materiais de higiene e medicamentos a centenas de milhares de pessoas, especialmente as mais pobres e abandonadas.

Os povos amazônicos, especialmente os indígenas, têm se organizado nos últimos meses para superar esta situação de pandemia, agravada por ameaças e abandono do Estado, revelando um novo episódio de resiliência, uma atitude sempre presente naqueles que foram forçados a viver se defendendo de ataques históricos. As muitas iniciativas locais, que encontraram forte apoio da Igreja Católica, aliada aos povos originários, como o Sínodo para a Amazônia deixou claro, são acompanhadas por iniciativas regionais e globais de apoio e organização popular.

O futuro é preocupante, já que a crise social e econômica gerada pela COVID-19 é a mais grave em décadas, algo que está sendo sentido decisivamente na América Latina, ainda mais na região amazônica, sempre abandonada pelos governos dos nove países que fazem parte da Pan-Amazônia. O número de pessoas em extrema pobreza na América Latina deve atingir 96 milhões até o final de 2020, um aumento de 28 milhões a partir de 2019. Até agosto deste ano, a economia latino-americana teve uma recessão de 9,1%, segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe – CEPAL, uma conta paga pelos pobres, já que os cofres dos mais ricos aumentaram ainda mais nesta época de pandemia.

O fato de ter superado o milhão de infecções e ver que o número de mortes não está diminuindo significativamente, permanecendo acima de 160 mortes por dia, é uma nova oportunidade para o mundo tomar consciência da importância de apoiar e defender a Amazônia e seus povos, especialmente em tempos de pandemia. É hora de amazonizar-se, de tomarmos consciência da necessidade de nos unirmos e levantarmos nossas vozes para enfrentar os vilões que procuram criar o caos.

Evolução da pandemia da COVID-19 na Pan-Amazônia

17 de março: 24 casos confirmados e um falecido
31 de março: 622 casos confirmados e 14 falecidos
30 de abril: 20.471 casos confirmados e 1.257 falecidos
1 de junho: 174.819 casos confirmados e 7.845 falecidos
1 de julho: 447.982 casos confirmados e 15.945 falecidos
31 de julho: 743.423 casos confirmados e 20.708 falecidos
31 de agosto: 1.027.717 casos confirmados e 25.717 falecidos

100.000 casos confirmados: 23 de maio
200.000 casos confirmados: 4 de junho
300.000 casos confirmados: 16 de junho
400.000 casos confirmados: 25 de junho
500.000 casos confirmados: 7 de julho
600.000 casos confirmados: 17 de julho
700.000 casos confirmados: 28 de julho
800.000 casos confirmados: 6 de agosto
900.000 casos confirmados: 17 de agosto
1.000.000 de casos confirmados: 28 de agosto

1 falecido: 17 de março
1.000 falecidos: 30 de abril
5.000 falecidos: 21 de maio
10.000 falecidos: 10 de junho
15.000 falecidos: 4 de julho
20.000 falecidos: 29 de julho
25.000 falecidos: 26 de agosto
25.717 falecidos: 31 de agosto

Padre Modino – REPAM

PUBLICADO EM:   VATICAN NEWS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.