OIM lança estudo que discute políticas de médio prazo para indígenas venezuelanos no Brasil

Para contribuir com a construção de alternativas de políticas públicas para os indígenas venezuelanos, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) lança na quarta-feira (10), em evento virtual, o estudo “Soluções duradouras para indígenas migrantes e refugiados no contexto do fluxo venezuelano no Brasil”.

Indígenas venezuelanos da etnia warao e eñepas em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: OIM
Indígenas venezuelanos da etnia warao e eñepas em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: OIM

O documento é produto de um amplo processo de consulta com indígenas Warao, Pemón e Eñepa nas cidades de Boa Vista, Pacaraima (RR) e Manaus (AM).

A publicação será apresentada em transmissão ao vivo na página Facebook da OIM Brasil pela antropóloga e consultora da OIM, pesquisadora principal da publicação, Elaine Moreira.

O professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Flavio de Bastos, a representante da Associação Brasileira de Antropologia Bela Feldman Bianco e o associado sênior de campo da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) Sebastian Roa completam o painel.

Serviço

Data: Quarta-feira, 10 de junho
Horário: 14h
Transmissão: Facebook /OIMBrasil

Boas-Vindas e Moderação
Daniel Belik, Organização Internacional para as Migrações – OIM

Apresentação do estudo
Elaine Moreira, Organização Internacional para as Migrações – OIM

A perspectiva do Direito com relação às 25 recomendações apontadas pelo estudo
Flávio de Bastos, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Como a Antropologia pode contribuir para as políticas públicas na área da migração
Bela Feldman Bianco, Associação Brasileira de Antropologia – ABA

O trabalho interagencial para os povos indígenas migrantes e os desafios para implantação de uma estratégia nacional
Sebastian Roa, Agência da ONU para Refugiados – ACNUR

PUBLICADO EM: ONU NAÇÕES UNIDAS    Notícias do Brasil,   Ação Humanitária, Direitos Humanos,   Paz e Segurança

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.