10 hard facts that everybody (including investors) should know about the Amazon Rainforest

1) The Amazon Rainforest biome has an extension of about 6.7 million square kilometers shared between Brazil, Bolivia, Colombia, Peru, Ecuador, Venezuela, Guyana, Surinam and the French Guyana. Some 62% of it is in Brazil, where 84% of its original area at the time of the arrival of the Portuguese in 1500 A.D. is preserved. This mostly untouched area is about the size of France, Germany, the United Kingdom, Ireland, Norway, Finland, Sweden, Holland, Italy, Spain and Portugal together; if it were a country, it would be the world seventh in extension, larger than India.

2) The Amazon Rainforest must not be confused with the Legal Amazon (Amazônia Legal), a geographical region delimited for the purpose of establishing special tax regimes in order to encourage economic activities in the nine Northern Brazilian states. These states comprise 61% of the national territory but harbor less than 13% of the country’s population, and account for less than 8% of Brazil’s GDP. The low living standards of most of its population can be assessed by the fact that only 13% of its urban inhabitants have access to sewage systems; a great part of the 4 million Brazilians who do not have a simple toilet at home live there. The region also holds significant parts of two other Brazilian biomes, the Cerrado (savannah) and the Pantanal (wetlands). The Legal Amazon covers 5.1 million sq.km; the Brazilian part of the Rainforest, 4.2 million sq.km.

3) The Rainforest is not the “lungs of the world”; its vegetal and animal biota consume all the photosynthesis-generated oxygen in their process of respiration (yes, plants do breathe), so the net budget is near zero. (And lungs do not produce oxygen, after all.)

4) It is not a functional “carbon sink” either, because as a stable climax ecosystem its net carbon budget is also close to zero (except when it burns). Anyway, if people are worried about carbon, they should support the clearing of the forest and its replacement by the secondary regeneration vegetation (called “capoeira”) instead, that captures the atmospheric carbon during its growth, indeed. By the way, between 2008 and 2012, the area of “capoeiras” increased two and a half times faster than the area of the cleared forest (there isn’t more recent data). (Disclaimer: I’m not suggesting this course of action.)

5) The Rainforest is obviously relevant for the biogeochemical cycles of the biosphere but it does not have any significant impact upon the world climate. Its chief contribution for the atmospheric dynamics is to recycle half of the rainwater coming westwards from the Atlantic Ocean back to the atmosphere by means of evapotranspiration, forming a water vapor flow that is partly re-directed southwards. This process is important for the Rainforest itself and its surroundings but its influence can hardly be regarded as being global.

6) The much-ballyhooed warnings about a feared “tipping point” of deforestation beyond which the Rainforest would supposedly suffer an irreversible “dieback”, are just products of mathematical models without any factual evidence. These models may be useful as academic drills but should not be the turf of policymaking. If other biomes are useful for comparison, the Atlantic Forest (or Mata Atlântica, whose biodiversity is as significant as the Rainforest’s) covered 1.3 million sq.km of the Brazilian territory along the coast back in the 16th century, and has lost over 80% of its original area since but it has not suffered such a “dieback” so far. The hypothetical deforestation “tipping point” for the Rainforest is 20%, a number that grants appealing apocalyptic forecasts and shocking media headlines but does not fit with the hard facts and common sense.

7) The annual deforestation rates in the Legal Amazon in the latest years are well below the high numbers of the first decade of the century (see the graph below). The official INPE count for 2019 was 10,129 sq.km (INPE stands for Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – National Institute for Space Research). Taking into account that much of this deforestation occurs in the Cerrado, a hypothetical linear projection using such rates suggests that it would take well over 300 years to clear the Rainforest entirely – an absurd scenario that is unimaginable by anyone in their right mind except some delusional and uninformed radical environmentalists, anyway.

8) Much of the deforestation occurs in private properties and government-sponsored settlement areas for small family farmers, meaning that it is legal. The Brazilian 2012 Forest Code allows that 20% of the property areas in the Rainforest and 50% in the Cerrado be cleared for economic use. Unfortunately, the deforestation rates regularly trumpeted in the media do not make this needed distinction.

9) There are over 25 million people living in the Legal Amazon, most of them in precarious socio-economic conditions. The vast majority of people who cut trees or make use of fire are not criminals but do it because they need to eke out a living somehow (of course, there are criminals that manage to avoid the law enforcement and the due punishment, like everywhere else). Brazil is a developing country and is still struggling to find its way towards the full development of its human and natural resources. For the Amazon region, the path is not “preserving” it as a gigantic combo of botanic garden and zoo, as many people seem to think naively. It must begin with the long overdue tasks of (the now much and unduly hyped) land rights regularization, ecological-economic zoning, adding value to the local productions and resources with the best techniques available, improving and expanding the infrastructure needed to enable quality of life gains for the local populations and a massive effort of research and development of its vast biodiversity resources, combining research institutions, private enterprises and the precious traditional knowledge of its inhabitants. In short, a kind of an “Industrial Amazon 4.0”, an impulse capable of bringing most of its inhabitants to the levels of wellbeing permitted by the 21st century knowledge. All this can and must be done with the needed care for the environment and, hopefully, we will be able to put this rational agenda in practice but a fundamental prerequisite for this is to dispel the myths and hysteria about the region and its development.

10) So, people, including foreign leaders, personalities and other interested parties, should inform themselves better before ridiculously blaming Brazil of “threatening the world climate”, or asking for sanctions against the country (mostly motivated by economic and political reasons). And the same goes for many Brazilians who are always willing to reverberate any criticisms against the country coming from abroad, regardless of their seriousness or lack thereof.

* The author is a Brazilian geologist, former environmental consultant and co-founder and director of the Ibero-American Solidarity Movement (MSIa – www.msiainforma.org); e-mail: geraldoluislino@gmail.com.

O que todo o mundo (brasileiros inclusive) precisa saber sobre a Floresta Amazônica

1) A Floresta Amazônica é um bioma, uma grande comunidade biológica estável e desenvolvida, com extensão de cerca de 6,7 milhões de quilômetros quadrados, compartilhados entre o Brasil, Bolívia, Colômbia, Peru, Equador, Venezuela, Guiana, Suriname e a Guiana Francesa. Cerca de 62% dela encontram-se no Brasil, onde 84% da sua área original existente na chegada dos portugueses estão preservados. Esta área predominantemente intocada equivale em tamanho à França, Alemanha, Reino Unido, Irlanda, Noruega, Finlândia, Suécia, Holanda, Itália, Espanha e Portugal juntos; se fosse um país, seria o sétimo do mundo em extensão, maior que a Índia.

2) A Floresta Amazônica não deve ser confundida com a Amazônia Legal, uma região geográfica delimitada para fins de estabelecimento de incentivos fiscais para atividades econômicas nos nove estados do Norte do Brasil, que compreendem 61% do território nacional, mas menos de 13% da população e representam menos de 8% do PIB do Brasil. Os seus baixos níveis de vida podem ser avaliados pelo fatos de apenas 13% dos seus habitantes urbanos terem acesso a sistemas de esgoto, e de ali viverem grande parte dos mais de 4 milhões de brasileiros que não têm um simples vaso sanitário em casa. A região também abriga partes significativas de dois outros biomas brasileiros, o Cerrado e o Pantanal. A Amazônia Legal tem uma área de 5,1 milhões de quilômetros quadrados; a parte brasileira da Floresta Amazônica, 4,2 milhões de km2.

3) A Floresta Amazônica não é “o pulmão do mundo”; as suas biotas vegetal e animal consomem todo o oxigênio gerado pela fotossíntese no seu processo de respiração (sim, as plantas respiram), de modo que o balanço líquido é próximo de zero. (E, afinal de contas, os pulmões não geram oxigênio, mas o consomem.)

4) Igualmente, ela não é um “sumidouro de carbono” funcional, pois, como um ecossistema estável em estado de clímax, o seu balanço líquido de carbono também é próximo de zero (exceto quando queima). De qualquer modo, quem está preocupado com o carbono deveria apoiar a derrubada da floresta e a sua substituição pela vegetação secundária de regeneração (as chamadas “capoeiras”), pois, esta sim, acumula carbono durante o seu processo de crescimento. A propósito, segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), entre 2008 e 2012, a área de “capoeiras” aumentou duas vezes e meia mais rapidamente do que a área desmatada no bioma (não há dados mais recentes). (Em tempo: não estou apoiando esta opção.)

5) A Floresta Amazônica é relevante para os ciclos biogeoquímicos da biosfera, mas não tem qualquer impacto significativo no clima global. A sua principal contribuição para a dinâmica atmosférica é reciclar e volta para a atmosfera cerca de metade da água da chuva que vem do Oceano Atlântico, por meio da evapotranspiração das plantas, formando um fluxo de vapor d’água que é parcialmente redirecionado para o sul. Este processo é importante para a floresta e suas vizinhanças, mas dificilmente a sua influência pode ser considerada como global.

6) As muito alardeadas projeções sobre um temido “ponto de inflexão” de desmatamento, além do qual a Floresta Amazônica, supostamente, sofreria uma “apoplexia” (morte súbita), não passam de modelos matemáticos sem qualquer base factual. Estes modelos podem ser úteis como exercícios acadêmicos, mas não devem ser usados para a formulação de políticas públicas. Se outros biomas servem como referência, a Mata Atlântica, que cobria mais de 1,3 milhão de quilômetros quadrados ao longo da costa brasileira, perdeu mais de 80% da sua área original no século XVI, mas não sofreu semelhante “apoplexia”. O índice de desmatamento hipotético para a Floresta Amazônica é 20%, número que garante apelativos prognósticos apocalípticos e manchetes midiáticas sensacionalistas, mas não se encaixa nas evidências factuais e no bom senso.

7) As taxas de desmatamento na Amazônia Legal têm se reduzido sistematicamente desde a década passada e encontram-se bem abaixo de 10 mil quilômetros quadrados por ano. Levando em conta que muito desse desmatamento ocorre no Cerrado, uma projeção linear hipotética usando tais números sugere que levaria bem mais de 400 anos para se derrubar totalmente a Floresta Amazônica – de qualquer maneira, um cenário absurdo e inimaginável por qualquer pessoa em seu juízo perfeito, salvo alguns ambientalistas radicais delirantes e desinformados.

8) Grande parte do desmatamento ocorre em propriedades privadas e em assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o que significa que é legalizado. O Código Florestal de 2012 permite o corte da vegetação original em até 20% das propriedades privadas situadas na área da Floresta Amazônica, e 50% nas situadas no Cerrado. Desafortunadamente, as taxas de desmatamento regularmente anunciadas ao público não fazem essa necessária distinção.

9) O número de focos de incêndio na Amazônia Legal (incluindo o Cerrado) também está em queda desde os anos recordistas de 2004-05; as projeções para 2019 sugerem que deverá atingir cerca de metade dos números daqueles anos. Uma boa parte dos focos ocorre em propriedades privadas, de acordo com uma prática de limpeza de terreno utilizada há séculos; não é o melhor método, mas é o de que dispõe a grande maioria dos habitantes da região. É relevante notar que a maioria desses focos não está localizada na Floresta Amazônica, mas na sua zona de transição para o Cerrado, ao sul, e no próprio Cerrado, como se observa no sítio Fire Information for Resource Management System (FIRMS, https://firms.modaps.eosdis.nasa.gov/map/#z:3;c:0.0,0.0;d:2019-08-24..2019-08-25) (a Floresta Amazônica é, grosso modo, a grande área em verde escuro e verde claro ao norte do paralelo 15oS). Incidentalmente, pode-se observar também que o Brasil não está sozinho na atual temporada mundial de incêndios florestais.

Imagem parcial da América do Sul com focos de incêndio detectados pelo sistema FIRMS (25/08/2019).

10) Há mais de 25 milhões de pessoas vivendo na Amazônia Legal, a maioria em condições socioeconômicas precárias. A vasta maioria das pessoas que cortam árvores e utilizam o fogo não são criminosos, mas o fazem porque precisam ganhar a vida de alguma forma. Respeitando-se as devidas proporções, ninguém, exceto alguns ambientalistas empedernidos está considerando os alemães como criminosos ambientais, porque os remanescentes da Floresta de Hambach, perto de Colônia, deverão ser abatidos pela empresa de energia RWE, para retirar do subsolo o linhito (forma mais pobre e poluente de carvão) necessário para alimentar usinas termelétricas, depois que a chanceler Angela Merkel determinou o fechamento de várias usinas nucleares do país, por motivos meramente políticos.

11) O Brasil é um país em desenvolvimento que luta para encontrar o seu caminho rumo ao pleno desenvolvimento dos seus recursos humanos e naturais. Para a Região Amazônica, o caminho para isso não é o da mera repressão às atividades ilegais nem o da sua “preservação” como um gigantesco combo de jardim botânico e zoológico, como muitos parecem pensar, ingenuamente. Ao contrário, ele deve começar com as muito atrasadas tarefas da: a) regularização fundiária; b) zoneamento ecológico-econômico; c) agregação de valor às produções e recursos locais com as melhores técnicas disponíveis; d) melhoramento e ampliação das infraestruturas necessárias para proporcionar ganhos de qualidade de vida para as populações locais; e) um grande esforço de pesquisa e desenvolvimento dos seus vastos recursos de biodiversidade, reunindo instituições de pesquisa, empresas privadas e o precioso conhecimento tradicional dos seus habitantes. Em suma, uma espécie de Amazônia Industrial 4.0, impulso necessário para elevar os habitantes da região aos níveis de desenvolvimento permitidos pelos avanços do século XXI, juntamente com o restante do País. Tudo isso pode e deve ser feito com os necessários cuidados com o meio ambiente, mas para que esta agenda racional seja posta em prática, um pré-requisito fundamental será deixar de lado os mitos e a histeria sobre a região e as suas perspectivas de desenvolvimento.

12) Assim sendo, as pessoas, inclusive líderes e personalidades estrangeiras, deveriam informar-se melhor, antes de acusar o Brasil, ridiculamente, de “ameaçar o clima mundial”, ou pedir sanções contra o País (em geral, com motivações políticas e econômicas). E o mesmo vale para muitos brasileiros sempre dispostos a repercutir quaisquer acusações ao País vindas do exterior, independentemente da sua seriedade – ou da falta dela.

in Ambientalismo 26 de junho de 2020  

PUBLICADO EM:     MSIA INFORMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.