Cinco mil mudas de espécies nativas são plantadas na Terra Indígena Panará (MT e PA)

Mais de cinco mil mudas de espécies nativas, como Mogno, Ipê, Jatobá, Seringa, Açaí, Copaíba, Cedro, Peroba, Cumaru, Pequi, Cacau e Cupuaçu foram plantadas na Terra Indígena Panará (MT e PA), do povo Panará, no ano de 2019.

Mudas sendo transportadas com o apoio da Funai. Foto: Marcelo Canova/Funai

O plantio, que ocorre em regime de mutirão com a participação dos indígenas e da Funai, abrange tanto espécies de elevado valor econômico quanto espécies que contribuem para a segurança alimentar, como o Pequi Amazônico, o Cacau, o Cupuaçu e o Açaí, já cultivados tradicionalmente.

O trabalho é fruto do esforço conjunto entre as comunidades indígenas, a Coordenação Regional Norte do Mato Grosso e a Coordenação Geral de Gestão Ambiental (CGGAM), e  contou com o apoio do Instituto Raoni.

A ação faz parte do Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas e Pastagens por meio de Sistemas Agroflorestais (SAFs). Conforme a Embrapa, os SAFs, consistem em sistemas produtivos baseados na sucessão ecológica, análogos aos ecossistemas naturais, em que árvores exóticas ou nativas são consorciadas com culturas agrícolas, trepadeiras, forrageiras, arbustivas, de acordo com um arranjo espacial e temporal pré-estabelecido, com alta diversidade de espécies e interações entre elas.

Nesse caso, são levadas em conta as espécies de interesse e importância para as comunidades. Os SAFs conciliam, assim, conservação e produção, atingindo objetivos ecológicos, socioeconômicos e culturais.

fotodireitacacau
Plantio do cacau em áreas reflorestadas.

As ações de restauração ecológica e recuperação de áreas degradadas têm o objetivo de promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais existentes nas terras indígenas, valorizando o manejo etnoecológico e contribuindo para a integridade ambiental dos territórios, bem como para a reprodução física e cultural dos povos indígenas.

Na Funai, a CGGAM, por meio da Coordenação de Conservação e Recuperação Ambiental (CORAM), é responsável por coordenar e apoiar ações de gestão territorial e ambiental de terras indígenas, promovendo a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais desses territórios.

Tais ações se dão com respeito à autonomia sociocultural de cada povo e à sua participação plena e efetiva, assim como promovem a valorização dos saberes, práticas, conhecimentos e sistemas próprios de manejo e conservação dos recursos.

Assessoria de Comunicação / Funai

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.