Inventário avalia emissões de gases de efeito estufa de Rio Branco (AC)

O município de Rio Branco é a primeira cidade do Acre a ter o inventário de emissão de gases de efeito estufa (GEE) da série 2012-2016. O documento mostra dados da GEE em quatro setores: energia, transporte, resíduos sólidos urbanos, floresta e agropecuária com foco na pecuária e desmatamento.

Foto: Marcos Vicentti

“O objetivo é estimar a emissão gases de efeito estufa de setores importantes da economia de Rio Branco. No inventário é feito uma avaliação da magnitude das emissões”, declara o pesquisador da Embrapa Acre, Falberni Costa.

O governo municipal é responsável por diminuir ou eliminar a emissão de gases e o inventário deve auxiliar na criação de políticas públicas direcionadas ao setor que mais precisa de planejamento. De acordo com o pesquisador, ao todo, são três etapas nesse processo: primeiro elaborar o estudo, papel dos pesquisadores, depois fazer o planejamento da gestão municipal, e então implementar as políticas públicas para mitigar as emissões de gases de efeito estufa.

“Essas duas últimas etapas são de responsabilidade da Prefeitura do município. O inventario será uma ferramenta para auxiliar no planejamento das ações destinadas para determinados setores”, afirma Costa.

A parceria entre o Instituto ICLEI – traduzido do inglês, Governos Locais Pela Sustentabilidade e a Prefeitura Municipal de Rio Branco disponibilizou capacitação e ferramentas para elaborar o inventário.

Uso da terra

Segundo o chefe-geral da Embrapa Acre, Eufran do Amaral, este instrumento é importante como parte da estratégia do município de ter ações efetivas para mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

“O setor de agricultura, silvicultura e outros usos da terra é o que tem maior interação com as tecnologias e inovações geradas pela Embrapa, em especial aquelas que valorizam a floresta em pé e que aumentam a produtividade das pastagens e dos rebanhos, pois contribuem para redução do desmatamento e das emissões do rebanho a pasto, uma vez que este setor é responsável por 81% das emissões do município”, enfatiza Amaral.

Para o Secretário Municipal de Meio Ambiente (Semeia), Aberson Carvalho, Rio Branco tem como prioridade a agenda ambiental. O inventário foi um diagnóstico de como é composta a produção de GEE. “Agora nós vamos dar o próximo passo que é a construção do plano de mudanças climáticas. É fundamental esse instrumento para uma cidade que se desenvolve como a nossa capital”, diz.

Diversos profissionais atuaram na elaboração do inventário, além de Falberni Costa e Eufran Ferreira, engenheiros agrônomos e pesquisadores da Embrapa Acre, são autoras do estudo a engenheira florestal e gerente de mudanças climáticas da Semeia Cássia Souza de Melo e a bióloga e chefe da divisão de gestão ambiental da Semeia Dalva Araujo Martins. O ICLEI disponibilizou apoio técnico para as pesquisas.

A publicação está disponível no site da Embrapa Acre e pode ser acessada aqui.

Priscila Viudes (Mtb 030/MS)
Embrapa Acre

Contatos para a imprensa

Telefone: (68) 3212-3250

Colaboração: Maria Fernanda Arival
Embrapa Acre

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.