Salles corta 77% de Conselho Ambiental, retira ICMBio e fará sorteio de vagas

A composição do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) foi alterada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e pelo ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles. O conselho, antes composto por 96 integrantes –entre entidades públicas e ONGs–, passa a ter 22 integrantes, e o governo federal passa a ter mais força.

Isso porque o decreto, publicado nesta quarta (29), aumenta a presença do poder federal no conselho de 29% dos integrantes para 41%. Ao mesmo tempo, a representação da sociedade civil foi diminuída de 22 assentos para apenas 4. As entidades civis serão escolhidas a partir de sorteios (antes havia uma eleição para a escolha dos representantes) e terão mandato de um ano –hoje são dois

O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e ANA (Agência Nacional de Águas) deixaram de integrar o Conama.

Possíveis mudanças na estrutura do Conama já eram ventiladas há meses dentro da gestão Salles.

O Proam (Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental) afirmou que enviará para Raquel Dodge, procuradora da república, uma representação assinada por mais de 30 entidades contra o decreto.

“Essa medida é para destruir a representação da sociedade civil. Essa parece ser a intenção do governo”, diz Carlos Bocuhy, presidente do Proam.

Também foram retirados do conselho representações indígena, científica (que era indicada pela SBPC, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) e sanitária.

A primeira reunião do órgão no governo Bolsonaro foi marcada por confusão. Na ocasião, o ministro ignorou o regimento interno do conselho e só permitiu que participassem do encontro conselheiros titulares. Os suplentes só podiam participar caso os titulares estivessem ausentes. Um suplente tentou entrar e foi agredido por seguranças.

O Conama foi implantado em 1984 e passou a definir normas como as de licenciamentos ambientais, controle de poluição e outras atividades. Seu principal articulador foi Paulo Nogueira Neto, criador da política ambiental brasileira que morreu em fevereiro deste ano.

Na cerimônia de inauguração do órgão, o ministro do Interior, Mário Andreazza (1979-1984), não conseguiu disfarçar sua surpresa quando Nogueira Neto, ao discursar, afirmou durante seu pronunciamento que o novo conselho era o único em que o governo não tinha maioria.

Fonte: Jornal do Brasil

VER MAIS EM: https://amazonia.org.br/2019/05/salles-corta-77-de-conselho-ambiental-retira-icmbio-e-fara-sorteio-de-vagas/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.