Comunidades e instituições buscam soluções para reduzir as queimadas no Pará

Reduzir os impactos do uso do fogo em áreas de conservação e construir um sistema de alerta a incêndios que tenha o protagonismo das comunidades locais são os objetivos de um novo projeto que chega à região do Tapajós.

Evitar os pequenos incêndios no interior da floresta estão na mira do trabalho – Foto: Jos Barlow

O trabalho é apresentado e discutido nesta sexta (29) e sábado (30) com as comunidades e instituições que vivem e atuam na Floresta Nacional do Tapajós e na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns.

O projeto, denominado Sem Flama, vai promover a articulação e o debate entre populações locais, pesquisadores e gestores públicos para a construção de soluções para reduzir e evitar os incêndios florestais nas duas unidades de conservação.

Segundo dados do ICMBio, atualmente a Flona Tapajós reúne cerca de quatro mil moradores distribuídos em 21 comunidades e três aldeias indígenas. Já na Resex Tapajós-Arapiuns residem em torno 27 mil pessoas, distribuídos em 70 comunidades. Nas unidades é permitido o uso sustentável dos recursos naturais de forma racional e o desenvolvimento de atividades econômicas sustentáveis pelas comunidades do entorno.

A pesquisadora Joice Ferreira, da Embrapa Amazônia Oriental, explica que as práticas tradicionais dessas populações aliadas às mudanças no clima e à degradação de florestas, tornam o uso do fogo no preparo de pequenas áreas, quando não controlado, uma ameaça à floresta. O exemplo dessa situação foi o incêndio de 2015 que queimou cerca de um milhão de hectares na região do Tapajós.

“O fogo nessa região tem causas ambientais e sociais, por isso nossa intenção é trabalhar com a pesquisa-ação, desenvolvendo estudos locais, mas também construindo soluções junto com as comunidades. Isso porque o uso do fogo em pequena escala e no interior da floresta é difícil de ser detectado pelos satélites”, relata a pesquisadora.

Isso significa que ao mesmo tempo que os especialistas vão medir e avaliar os impactos do fogo na fauna, flora, biodiversidade e na sobrevivência e cultura da população, vão construir e propor junto com a comunidade práticas alternativas ao uso do fogo e um sistema de monitoramento e alerta de incêndios.

O projeto Sem Flama tem a duração de quatro anos e é coordenado pela Embrapa Amazônia Oriental com o financiamento do CNPq. Participam da iniciativa as associações das comunidades locais, ICMBio, Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden), universidades brasileiras e estrangeiras (UFPA, Ufra, UNB, Cambridge, Lancaster, Manchester e Oxford), Inpa, Inpe e Cirad.

Ana Laura Lima (MTb 1268/PA)
Embrapa Amazônia Oriental

Contatos para a imprensa

Telefone: (91) 3204-1200 / 99110-5115

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.