Devemos nos preocupar com a Amazônia brasileira?

O processo agressivo de desmatamento na Amazônia brasileira sempre atraiu a atenção internacional.

Até o início da última década, os processos agressivos de desmatamento e apropriação ilegal de terras na Amazônia brasileira pareciam ser incontroláveis. O desmatamento atingiu um pico de 27.000 km2 / ano em 2004. No entanto, os problemas da região vão muito além do desmatamento. É uma região de contrastes sociais e com histórico de conflitos por terra e uso de recursos naturais. Tem uma população de aproximadamente 24 milhões de pessoas, 75% vivendo em áreas urbanas não estruturadas, com indicadores sociais muito baixos, abaixo da média do país.

Depois de 2004, devido a uma combinação de medidas governamentais, medidas do setor privado e da sociedade civil, as taxas de desmatamento diminuíram drasticamente, mas não cessaram. Ele oscilou em torno de 6.000 km2 / ano durante alguns anos. No entanto, em 2018, as taxas de desmatamento atingiram o pico da década de 7.900 km2 / ano, levantando novamente a preocupação internacional sobre o destino da região – impulsionada pelo posicionamento público do recém-eleito governo brasileiro em relação às questões ambientais e sociais, especialmente desconsiderando as mudanças climáticas. , as agências de fiscalização ambiental, os movimentos sociais sem terra, os ativistas de direitos humanos e – por último mas não menos importante – os direitos dos povos indígenas e suas terras.

Em fevereiro de 2019, um grupo de pesquisadores e estudantes da Universidade de Estocolmo (SU), o Instituto Real de Tecnologia (KTH), a Universidade Sueca de Estudos Agrícolas (SLU) e outras organizações na Suécia se reuniram no Centro de Resiliência de Estocolmo (SRC) para discutir o futuro da Amazônia brasileira.

O primeiro palestrante, Dr. Carlos Nobre, forneceu uma visão geral das mudanças na Amazônia na última década e suas implicações. Ele introduziu o The Amazonia Third Way, um programa que propõe conciliar as visões de conservação e produção para a região através do desenvolvimento de uma bioeconomia de rios de florestas competitivas e vibrantes. O programa Amazônia da Terceira Via abrirá novas tecnologias e oportunidades baseadas no aprendizado para valorizar e proteger os ecossistemas da Amazônia, juntamente com os interesses dos povos indígenas e tradicionais que são seus guardiões. Em resumo, esta iniciativa irá explorar o papel da tecnologia inovadora e aprender a desvendar o potencial de uma nova economia baseada na biodiversidade tropical. Faça o download da apresentação aqui 

Notícia

Devemos nos preocupar com a Amazônia brasileira?

  • por CCST
  • publicado 20/02/2019 at 6:08
  • última modificação 20/02/2019 at 6:09

Oficina do Centro apresenta múltiplas perspectivas e discute as preocupações atuais sobre a região. Veja vídeos aqui.

O processo agressivo de desmatamento na Amazônia brasileira sempre atraiu a atenção internacional.

Até o início da última década, os processos agressivos de desmatamento e apropriação ilegal de terras na Amazônia brasileira pareciam ser incontroláveis. O desmatamento atingiu um pico de 27.000 km2 / ano em 2004. No entanto, os problemas da região vão muito além do desmatamento. É uma região de contrastes sociais e com histórico de conflitos por terra e uso de recursos naturais. Tem uma população de aproximadamente 24 milhões de pessoas, 75% vivendo em áreas urbanas não estruturadas, com indicadores sociais muito baixos, abaixo da média do país.

Depois de 2004, devido a uma combinação de medidas governamentais, medidas do setor privado e da sociedade civil, as taxas de desmatamento diminuíram drasticamente, mas não cessaram. Ele oscilou em torno de 6.000 km2 / ano durante alguns anos. No entanto, em 2018, as taxas de desmatamento atingiram o pico da década de 7.900 km2 / ano, levantando novamente a preocupação internacional sobre o destino da região – impulsionada pelo posicionamento público do recém-eleito governo brasileiro em relação às questões ambientais e sociais, especialmente desconsiderando as mudanças climáticas. , as agências de fiscalização ambiental, os movimentos sociais sem terra, os ativistas de direitos humanos e – por último mas não menos importante – os direitos dos povos indígenas e suas terras.

Em fevereiro de 2019, um grupo de pesquisadores e estudantes da Universidade de Estocolmo (SU), o Instituto Real de Tecnologia (KTH), a Universidade Sueca de Estudos Agrícolas (SLU) e outras organizações na Suécia se reuniram no Centro de Resiliência de Estocolmo (SRC) para discutir o futuro da Amazônia brasileira.

O primeiro palestrante, Dr. Carlos Nobre, forneceu uma visão geral das mudanças na Amazônia na última década e suas implicações. Ele introduziu o The Amazonia Third Way, um programa que propõe conciliar as visões de conservação e produção para a região através do desenvolvimento de uma bioeconomia de rios de florestas competitivas e vibrantes. O programa Amazônia da Terceira Via abrirá novas tecnologias e oportunidades baseadas no aprendizado para valorizar e proteger os ecossistemas da Amazônia, juntamente com os interesses dos povos indígenas e tradicionais que são seus guardiões. Em resumo, esta iniciativa irá explorar o papel da tecnologia inovadora e aprender a desvendar o potencial de uma nova economia baseada na biodiversidade tropical. Faça o download da apresentação aqui

O segundo palestrante, Dr. Eduardo Brondizio (da Universidade de Indiana), discutiu a importância de reconhecer as narrativas que estruturam o espaço da solução para os complexos problemas sócio-ecológicos da região – e a necessidade de criar uma nova narrativa, menos polarizada e inclusiva. . Ele também destacou as ligações entre o rural e o urbano na região, lançando luz sobre a invisibilidade da Amazônia urbana. Baixe a apresentação aqui (PDF)

Abaixo estão mais das apresentações do workshop:

Ana Paula Aguiar (SRC / INPE)

Por que construir novos cenários para a Amazônia brasileira? Um apelo a diálogos de escala cruzada para discutir caminhos integrados para a sustentabilidade, dando voz a todos os atores e ponte de perspectivas. Baixe a apresentação aqui (PDF)

Arie Staal (SRC)

Ao “suar” a água, a floresta amazônica enfraquece as secas. O desmatamento interrompe esse mecanismo de auto-estabilização e aumenta o risco de incêndio, o que pode desencadear pontos de inflexão da perda da floresta. Baixe a apresentação aqui (PDF)

Chandrakant Singh (SRC)

Os dominós estão caindo: nossos sistemas climáticos estão mudando sob contínua pressão antropogênica. Esses sistemas estão tão ameaçados que correm o risco de se inclinarem para estados alternativos e prejudiciais. É importante entender que esses “pontos de inflexão global” em nosso sistema climático não são eventos independentes e devem ser vistos como um coletivo interconectado. A Amazônia, estando no centro desses sistemas, está sob ameaça constante de se inclinar para um estado de Savana, devido a secas prolongadas e mudanças permanentes no uso da terra. Isso desestabilizaria o clima global e aumentaria drasticamente a probabilidade de eventos extremos em todo o mundo. Como respondemos a uma ameaça com implicações globais? Baixe a apresentação aqui (PDF)

Flávio Luiz Mazzaro de Freitas (KTH)

Flavio Freitas aborda o potencial aumento do desmatamento legal na Amazônia brasileira resultante da revisão de 2012 da Lei Florestal Brasileira. Flávio apresenta uma visão geral dos principais mecanismos que oferecem proteção legal à vegetação nativa. Em seguida, Flavio discute uma lacuna legal que pode reduzir a proteção em milhões de hectares da Amazônia atual. Baixe a apresentação aqui (PDF)

Alice Dauriach (SRC)

As instituições financeiras têm um papel fundamental a desempenhar nos esforços para evitar uma mudança climática perigosa: não apenas reduzindo as emissões de gases de efeito estufa, mas também reforçando a resiliência dos conhecidos “elementos de inclinação” no sistema terrestre, como a Amazônia. Um punhado de investidores possui ações substanciais nas maiores empresas de dois setores que provocam o desmatamento e a degradação florestal na Amazônia brasileira (soja e carne bovina). Isso abre importantes questões sobre os deveres e meios dos investidores para influenciar as empresas em seu portfólio. Baixe a apresentação aqui (PDF)

Lan Wang Erlandsson (SRC)

Uma grande parte da evaporação da floresta amazônica vem como chuva sobre a própria Amazônia e a terra a favor do vento. Como tal, o desmatamento da Amazônia pode – através da redução de chuvas – desencadear mais perdas de florestas auto-amplificadas relacionadas à seca, mudanças nos fluxos dos rios e a quebra de safra. Além disso, é claro que os fluxos de umidade atmosférica não respeitam os limites da bacia nem da nação. Esses insights provocam perguntas: a umidade da floresta deve ser considerada um serviço ecossistêmico? A transferência de umidade entre os países deve ser regulada e governada? Se sim, como? Baixe a apresentação aqui (PDF)

Um vislumbre do que está acontecendo em outros países:

Dolores Armenteras Pascual (UNAL), Colômbia

Graciela Tejada (INPE), Bolívia

https://youtu.be/bwPpPRVo_v0T 

por CCST

FONTE: CCST INPE – http://www.ccst.inpe.br/devemos-nos-preocupar-com-a-amazonia-brasileira/ 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.