Índios: esquecidos e atacados

A evangelização e o bem-estar dos povos indígenas, “aquela porção do Povo de Deus muitas vezes esquecida e sem a perspectiva de um futuro sereno”, estará no centro das reflexões e propostas do próximo Sínodo Amazônico, marcado para outubro de 2019, no Vaticano.

Entre os dias 5 e 12 de novembro, comissários e comissárias da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) voltaram ao Brasil, depois de 23 anos, para uma visita a aldeias em Altamira (PA), Santarém (PA) e Dourados (MS). A delegação esteve em quilombos, periferias de grandes centros urbanos, locais de acolhimento a migrantes e pessoas em situação de rua e outros locais de vulnerabilidade ou conflito social.

Após a visita, a Comissão, que é ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA), elaborou e divulgou um relatório preliminar em que são ressaltadas a frequente violência contra indígenas e a negligência do Estado na demarcação de suas terras tradicionais.

“ O relatório chama atenção para o “assédio, ameaças e ataques a defensores, líderes e comunidades indígenas que defendem seu território ”

A situação vivenciada pelos indígenas no estado de Mato Grosso do Sul, especialmente a dos povos Guarani e Kaiowá, foi destacada no relatório como uma “grave situação humanitária”. Para a CIDH, o confinamento destes povos em pequenas reservas superlotadas e os conflitos resultantes dessa política “privam o Guarani e Kaiowá de uma vida decente”.

Intolerância e violência têm aumentado nos últimos tempos

Na terça-feira (06/11), o líder indígena Reinaldo Silva Pataxó, de 40 anos, foi assassinado a tiros na aldeia Catarina Caramuru Paraguassú, em Pau Brasil (BA) e o indígena Ava-Guarani Donecildo Agueiro, de 21 anos, do Tekoha Tatury, sofreu atentado a tiros após sair de reunião da Coordenação Técnica Regional da Fundação Nacional do Índio (Funai) sobre demarcação de terras indígenas na região de Guaíra, (PR).

No Mato Grosso do Sul, outros três ataques foram registrados ainda naquele dia. Em Dourados, 15 indígenas foram feridos em um ataque de balas de borracha a um acampamento ao lado de uma aldeia Bororo. Outros dois casos de ameaça foram reportados pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI) no estado. Cerca de 40 caminhonetes fizeram uma carreata a uma retomada indígena em Caarapó, enquanto em Miranda, no Pantanal sul-mato-grossense, fazendeiros soltaram fogos de artifício e realizaram disparos de armas de fogo em direção a um assentamento.

Foi este acirramento dos conflitos envolvendo os povos indígenas no Mato Grosso do Sul a incentivar a visita da delegação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) à região sul do estado.

O testemunho de quem os defende, em nome da Igreja

Joana Aparecida Ortiz, franciscana de N. S. Aparecida em Campo Grande (MS), integra a coordenação do Regional do CIMI.

O Conselho apoia a questão indígena, principalmente os povos afetados gravemente pelo agronegócio e cujas terras estão atualmente “nas mãos de outros”, como ela afirma neste testemunho concedido ao Padre Luís Miguel Modino.

Nós como missionários e missionárias do CIMI apoiamos estes povos em suas decisões. Escutamos as suas demandas; nossa missão é fazer com que cheguem às autoridades, inclusive fora do país, para que suas terras sejam demarcadas. Um grande desafio no Mato Grosso do Sul é a demarcação das terras indígenas”.

Situação dos povos indígenas será foco do próximo Sínodo

Como anunciado pelo Papa Francisco, o bem-estar e a evangelização dos povos indígenas, “aquela porção do Povo de Deus muitas vezes esquecidos e sem a perspectiva de um futuro sereno”, estarão no centro das reflexões e propostas do próximo Sínodo Amazônico, marcado para outubro de 2019, no Vaticano.

 

Cristiane Murray – Cidade do Vaticano

FONTE: Vatican News

https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2018-11/povos-indigenas-atacados-tema-de-sinodo-amazonico.html#play    

NOTA

A equipe do ECOAMAZÔNIA esclarece que o conteúdo e as opiniões expressas nos artigos são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião deste ‘site”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.