MPF e MPE do Pará promovem audiência pública sobre impactos da produção de alumínio

O Ministério Público Federal e o Ministério Público do Estado do Pará promoveram nesta terça-feira (16) audiência pública em Barcarena para ouvir a população sobre o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta assinado pela empresa Hydro Alunorte

As lideranças comunitárias foram convidadas à participar do comitê que irá acompanhar a implementação, pela Hydro, de medidas para reduzir os impactos socioambientais da produção de alumínio.

O procurador do Ministério Público Federal no Pará, Felipe Moura Palha, explica que enquanto essas medidas não forem executados pela Hydro, a empresa terá que continuar operando com 50% da sua capacidade.

“O único caminho viável para a retomada das atividades da empresa é o cumprimento integral das cláusulas do TAC. Vamos saber com segurança científica que a empresa cumpre todas as normas ambientais e se ela cumpre as condicionantes socioambientais para que o empreendimento funcione”, esclarece o procurador.

 

O Ministério Público responsabiliza a Hydro Alunorte pelo vazamento de rejeitos de bauxita nas águas da região em fevereiro deste ano. A empresa nega que o transbordo tenha ocorrido, mas concordou em contratar uma auditoria independente para avaliar a qualidade dos rios e do solo em Barcarena. As comunidades locais serão submetidas a exames clínicos e devem ser ressarcidas por possíveis impactos da atividade da refinaria.

Neste mês de outubro, a Hydro chegou a anunciar a suspensão total das atividades em Barcarena e Paragominas, mas voltou a produzir com 50% da capacidade depois que foi autorizada pela Justiça a utilizar uma nova tecnologia de filtragem de resíduos. A refinaria emprega cerca de cinco mil pessoas. O Ministério Público do Trabalho acompanha a situação dos trabalhadores, que já tiveram a jornada reduzida. 

 

Outros destaques do Repórter Nacional – Amazonia:

FONTE: EBC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.