AGU demonstra validade de processos instaurados pelo Ibama contra desmatador

Foto: ibama.gov.br

Foto: ibama.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou na Justiça a validade de processos administrativos instaurados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em razão do desmatamento indevido de floresta nativa da Amazônia legal. A atuação ocorreu no âmbito de ação ordinária em que o infrator ambiental pleiteava a anulação de dois processos administrativos da autarquia.

O pedido foi contestado pela Procuradoria Federal no Estado do Amapá e pela Procuradoria Federal Especializada junto ao Ibama. As unidades da AGU esclareceram que, em um dos processos, o autor foi autuado pela destruição de 19,29 hectares de floresta nativa da Amazônia legal sem autorização ambiental, o que também levou a autarquia a embargar a área.

Na ocasião, ressaltou a AGU, o próprio autuado recebeu e assinou o auto de infração e o termo de embrago, ficando ciente de que estava proibido de efetuar qualquer atividade na área. Ele também fora notificado de que teria 20 dias para apresentar defesa e pagar a multa, não havendo, portanto, que se falar em cerceamento de defesa ou nulidade dos procedimentos administrativos.

Já no segundo processo administrativo questionado, a autuação foi feita justamente por descumprimento do embargo anterior com a ocupação da área impedida por animais bovinos, sendo que o primeiro auto já havia sido referendado judicialmente por decisão transitada em julgado.

Competência

As procuradorias pontuaram, ainda, que a Lei nº 9.605/98 estabeleceu, em seu art. 70, parágrafo 1º, a competência comum dos órgãos ambientais das três esferas da Federação para lavrar autos de infração e instaurar processos administrativos para apurar infrações administrativas ambientais.

A 1ª Vara Federal Cível do Amapá (SJAP) acolheu os argumentos da AGU e reconheceu a validades dos autos de infração, bem como a competência do Ibama para atuar sempre que constatada degradação ambiental.

Referência: Processo nº 1001042-21.2017.4.01.3100 – Justiça Federal do Amapá.

Luiz Flávio Assis Moura

http://www.agu.gov.br/page/content/detail/id_conteudo/669408

FONTE: AGU

 

Notícias Relacionadas
Desmatamento: AGU mantém nome de empresa em lista de áreas embargadas
AGU comprova que Ibama pode propor ação civil pública em defesa do meio ambiente
Atuação de procuradoria garante validade de licença do Ibama para construção de ferrovia entre Tocantins e Bahia

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.