Nova Base Alto Cuieiras do Inpa possibilita pesquisa, turismo científico e capacitações

5 de Maio de 2018  - Jaime de Agostinho

Rio Cuieiras – Foto Olivier Jaudoin – INPA

O projeto Museu na Floresta do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), em parceria com a Universidade de Quioto (Japão), inaugura Na próxima terça-feira (8) a Base Alto Cuieiras. Trata-se de uma base construída, no meio da floresta amazônica de terra firme, com novas estruturas que possibilitarão atividades de pesquisa, turismo científico e capacitações, voltadas para a observação, conservação da biodiversidade amazônica e a valorização da cultura tradicional. 

A Base Alto Cuieiras fica localizada no Mosaico de Unidades de Conservação do baixo Rio Negro, uma das maiores áreas protegidas da Amazônia. É constituída por 12 áreas protegidas contíguas de diferentes categorias e lar de uma rica biodiversidade, além de uma grande quantidade de comunidades humanas ribeirinhas e indígenas.

Há mais de 30 anos a base é utilizada para apoiar pesquisas do Inpa, e com a parceria de instituições japonesas passou por um significativo processo de revitalização e expansão de suas estruturas físicas.  

“Agora esse base passou a ser considerada, além de base de pesquisa, também mais um local destinado à visitação, fortalecendo assim as ações do Inpa de divulgação e popularização da ciência”, destacou a coordenadora de Extensão do Inpa, a pesquisadora Rita Mesquita, que também é vice-coordenadora do Projeto Museu na Floresta. A pesquisadora Vera Silva é a coordenadora do projeto.

Para o diretor do Inpa, o pesquisador Luiz Renato de França, a inauguração da Base e do Prédio da Coordenação de Capacitação (Cocap), na quarta-feira (09), mostram que apesar das dificuldades econômicas e políticas pelas quais o país passa nos últimos anos o Inpa não parou. “Muito pelo contrário, graças aos esforços de muitos e ao protagonismo nacional e internacional do Inpa, a Base Alto Cuieiras é agora uma grata realidade que sedimenta o projeto Museu na Floresta após a já importante reinauguração em 2017 da Torre de Observação e Pesquisa da ZF-2, que também faz parte deste projeto”, destaca França. 

Próxima à capital amazonense (a três horas de barco), a base tem fácil acesso pelo rio Cuieiras e permite acessar os diferentes ambientes amazônicos como igapó, campina e campinarana, além de terra firme. É a única base do Inpa que tem todos esses ambientes em um só lugar. 

Construída numa área total de 664,85 metros quadrados, a obra foi iniciada no dia 4 de agosto de 2017 e finalizada no dia 28 março deste ano. Teve o patrocínio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) e da empresa japonesa Itochu. O investimento foi na ordem de cerca de R$ 1,4 milhão. A obra foi construída pela Roswand Eirelli, que respeitou todas as premissas do contrato. 

A estrutura da base conta com um redário bimodular com capacidade para 60 redes, banheiros e chuveiros; um refeitório com espaço multiuso (refeições, aulas, capacitações); energia elétrica em horários predeterminados do dia. 

Museu na Floresta 

O Projeto Museu na Floresta tem por finalidade a conservação da biodiversidade na Amazônia promovendo o conhecimento e a convivência harmônica do homem com a natureza. O projeto tem base em um novo conceito de museu, ao ar livre, onde suas estruturas funcionam em rede permitindo ao visitante o aprendizado e a valorização da biodiversidade e acesso mais direto aos resultados da pesquisa científica realizada pelo Inpa e seus parceiros.

A missão do projeto Museu da Floresta é demonstrar que é possível se ter padrões de vida sustentáveis e viver em harmonia com a floresta.   

Solenidade de Inauguração 

Além do diretor do Inpa, o pesquisador Luiz Renato de França, e da pesquisadora sênior do Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA/Inpa) e coordenadora do Projeto Museu na Floresta, Vera Silva, está confirmada a presença na inauguração do pesquisador sênior do Centro para Pesquisas da Vida Selvagem da Universidade de Quioto e coordenador japonês do Projeto Museu na Floresta, Shiro Kohshima. Também estará presente o reitor da Universidade de Quioto, Juichi Yamagiwa, e da Chefe da Divisão de Cooperação com a América do Norte, Ásia, África e Oceania do MCTIC, Nanahira de Rabelo.

Participam ainda da solenidade, membros da Jica Tokyo, a nova cônsul geral japonesa em Manaus Hitomi Sekiguchi, o vice cônsul Takahiro Iwato, além de representantes da Jica Brasil e da empresa Itochu. 

Mais informações com o Projeto Museu na Floresta pelo email museunafloresta@gmail.com 

 

Da Redação – Ascom Inpa

Fotos: Olivier Jaudoin e Museu na Floresta – Acervo 

 

FONTE: INPA 

 

 


Palavras-chave: , , , ,


Deixe um comentário

*