Começa o plantio de mudas do projeto que propõe a criação do corredor metropolitano do guaraná no AM

A Embrapa Amazônia Ocidental inicia, no dia 23 de março, o plantio de mudas de cultivares de guaranazeiro nas Unidades de Referência Tecnológica (URTs) do Projeto Expansão da Guaranaicultura – Criação do Circuito Metropolitano da Cultura do Guaraná.

O plantio das mudas será feito nas 31 URTs implantadas em áreas de agricultores familiares localizadas em 15 comunidades nos municípios de Manaus, Iranduba, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva e Manacapuru, atingindo um total de 20 hectares (ha) de área cultivada com guaraná. As tecnologias desenvolvidas e validadas pela Embrapa Amazônia Ocidental estão sendo utilizadas nessas URTs que são acompanhadas pela equipe técnica da empresa.

O projeto busca fortalecer a atividade guaranícola no Amazonas, aumentando a produção do fruto e divulgando o Sistema de Produção da cultura e as 18 cultivares de guaranazeiro já lançadas pela Embrapa, que apresentam alta produtividade e resistência à antracnose, doença que provoca danos nos plantios oriundos de sementes.

Conforme o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Amazônia Ocidental, Ricardo Lopes, o projeto apresenta os elementos básicos necessários para obter sucesso, visto que existe demanda de guaraná por parte da indústria e tecnologia de cultivo para alta produtividade de sementes desenvolvida localmente. “Além disso, os produtores buscam por novas alternativas de cultivo sustentável, com mercado e bom retorno financeiro. Ainda, os agricultores envolvidos no projeto receberão o devido acompanhamento técnico para implantação e manejo da cultura”, acrescentou.

Para Lopes, a integração dos agricultores, produtores da matéria-prima, com a indústria é um modelo com grande potencial para o desenvolvimento do setor primário do Estado, não apenas para o guaraná, mas também para atender a demanda de outros produtos que têm sido importados de outras regiões, ou até mesmo de outros países, como a borracha, óleos vegetais e fécula, por exemplo. “A ideia é que com o sucesso dos produtores envolvidos no projeto a expansão dos plantios ocorra naturalmente, que novos produtores se interessem pelo cultivo do guaraná, e que a integração com a indústria seja consolidada, tornando o Estado menos dependente de matéria-prima externa, explorando o potencial de produção local e promovendo o desenvolvimento do setor primário do Amazonas”, destacou.

O projeto Expansão da Guaranaicultura é fruto de uma articulação entre a iniciativa privada e o setor público. Conforme a líder do projeto, Indramara Lôbo, com o apoio financeiro da empresa Brasil Kirin foram realizadas adequações do viveiro da Embrapa Amazônia Ocidental para atender as necessidades do projeto e também foram adquiridas mudas produzidas por viveiristas registrados para produção das mudas de guaraná que serão entregues aos produtores. Também é parceira do projeto a empresa Sabores Vegetais, que colaborou na realização do evento inaugural do projeto, no programa de capacitações dos agricultores e no preparo de área para implantação das URTs.

Produção

O Estado produz, atualmente, apenas cerca de 700 toneladas de guaraná por ano, enquanto a demanda do Polo Industrial de Manaus (PIM) é de oito mil toneladas. Além das indústrias de bebidas e concentrados, também necessitam de guaraná como insumo básico de seus produtos as indústrias químicas, farmacêuticas e de cosméticos. “Essa cultura pode ser uma superpotência econômica no Amazonas. A Embrapa tem hoje 18 cultivares lançadas e recomendadas para a região Norte e isso pode fazer a diferença para produtores, para a indústria, para a receita do Estado e para o desenvolvimento social e regional do Amazonas”, disse Indramara.

Prova desse potencial, conforme o presidente da empresa Sabores Vegetais do Brasil, José Luiz Franzotti, é o interesse nacional e de outros países pelos produtos feitos a partir do guaraná. “Na Sabores Vegetais trabalhamos o guaraná com perspectivas positivas. É um dos nossos principais produtos e cada dia mais precisamos da matéria-prima, com mais qualidade, com preço competitivo. Queremos que o guaraná se torne um fruto mundial. É possível levar esse produto para todo o mundo”, destacou.

Se por um lado o projeto é um passo inicial importante para auxiliar no provimento de matéria-prima para o Polo Industrial de Manaus, por outro também vai ajudar no incentivo à criação de emprego nos municípios e oferta de alternativa de renda aos produtores, além de facilitar a dinâmica da cadeia produtiva, aproximando os agricultores e a indústria.

Parceria

O plantio das mudas é realizado pela Embrapa Amazônia Ocidental com o apoio de um arranjo Institucional que envolve a Prefeitura de Presidente Figueiredo, Iranduba, Rio Preto da Eva, Manacapuru e Manaus e Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), além do patrocínio das empresas Brasil Kirin e Sabores Vegetais. O projeto também conta com apoio da Cáritas Arquidiocesana de Manaus, Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Instituto Nacional de Educação Científica Agroecológica da Amazônia (Instituto Amaós), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e Sistema OCB/Sescoop.

Informações e confirmação de presença nos eventos podem ser realizadas através dos contatos: (92) 3303-7860 e cpaa.eventos@embrapa.br

A primeira comunidade a fazer o plantio das mudas, no dia 23, é a do Ramal do Paulista, localizada no município de Presidente Figueiredo.

Programação

Data: 23 de março de 2017, quinta-feira   |   Horário: Das 9h às 12h
Local: Comunidade Ramal do Paulista (BR 174, Km 180, Ramal do Paulista,   Km 10, Presidente Figueiredo, AM)

Data: 24 de março de 2017, sexta-feira   |   Horário: Das 9h às 12h
Local: Igreja São João Batista / Comunidade Novo Paraíso (BR 174, km 8, Ramal do Júnior, Km 7, Manaus, AM)

Data: 29 de março de 2017, quarta-feira   |   Horário: Das 9h às 12h
Local: Sede da Associação Comunitária do Assentamento do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Nova Esperança (Rodovia Manoel Urbano, Km 13, Estrada do Caldeirão, Ramal do Incra, Km 6, Iranduba, AM)

Data: 30 de março de 2017, quinta-feira   |   Horário: Das 9h às 11h
Local: Porto do Puraquequara (Rua Lago do Aleixo, Puraquequara, Manaus, AM)

Data: 31 de março de 2017, sexta-feira   |   Horário: Das 9h às 12h
Local: Fazenda Manancial (Rodovia Manoel Urbano, Km 69, Ramal do Acajatuba, Km 3, Ramal do Branco, Km 2, Manacapuru, AM)

Data: 4 de abril de 2017, terça-feira   |   Horário: Das 9h às 12h
Local: Casa de Farinha do Conselho dos Assentados do Projeto Iporá
(Conapi) / (Rodovia AM 010, Km 134, Comunidade Nova União, Km 3,5, Rio Preto da Eva, AM)

Felipe Rosa (14406/RS)
Embrapa Amazônia Ocidental
amazonia-ocidental.imprensa@embrapa.br
Telefone: (92) 3303-7852

Editado por: Adriana Ribeiro
Embrapa Amazônia Ocidental
amazonia-ocidental.imprensa@embrapa.br
Telefone: (092) 3303-7860

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

amazôniaagricultura familiarguaranátt

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.