Pesquisadores de Roraima tornam-se referência na extração de óleo do inajá

Considerado inicialmente um invasor, o inajá foi objeto de estudo de pesquisadores da Embrapa-RR e da Universidade Federal de Roraima (UFRR), que descobriram potenciais econômicos com a extração do óleo da polpa e da amêndoa da palmeira. O artigo com os resultados foi publicado no livro Palmeiras Nativas do Brasil, uma edição da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O inajá é uma palmeira oleaginosa, nativa na América. Conforme explicou o agrônomo Dr. Otoniel Ribeiro Duarte, chefe-geral da Embrapa-RR e um dos autores do estudo, essa palmeira é abundante no Estado de Roraima e, alguns produtores, chegaram a considerá-la uma praga, querendo sua exterminação.

No entanto, os pesquisadores realizaram vários estudos, com vistas ao aproveitamento e cultivo comercial do inajá, que confirmaram seu potencial econômico para diversos fins. A pesquisa indica que o óleo da palmeira pode ser utilizado nas indústrias alimentícia, cosmética, farmacêutica e como fonte de energia renovável (biocombustível).

O químico, professor Dr. Antônio Alves de Melo Filho, foi um dos responsáveis pela extração do óleo da polpa e da amêndoa da palmeira, por meio do laboratório do Mestrado em Química da UFRR. O professor explicou que os ácidos graxos do óleo da palmeira foram extraídos a quente, por meio do sistema Soxhlet.

Na análise físico-química dos frutos, observou-se que as polpas têm rendimento de 16,5% de óleo e 83,5% de resíduos (fibras), enquanto que as amêndoas possuem rendimento de 64,5% de óleo e 35,5% de resíduos. O óleo extraído da polpa é amarelo-intenso e o das amêndoas é quase incolor.

Como alimento, o óleo do inajá mostrou-se mais rico do que o óleo de dendê, por exemplo, podendo ser sua cultura mais econômica e é pouco exigente quanto a fertilização do solo e irrigação. No Estado de Roraima, a palmeira está presente de Caroebe a Amajari e sua safra vai de março a setembro. Em outras regiões da Amazônia Legal, a produção do inajá ocorre em épocas distintas, sendo ampliada, podendo ser extraída durante todo o ano.

Na produção agrícola, o inajá não prejudica outras culturas, encaixando-se na agricultura familiar e podendo ser manejada nas pastagens. Além disso, o inajá não possui espinhos, como a maioria das palmeiras oleaginosas, o que facilita o manejo. Conforme os pesquisadores, o inajá também tem importância ecológica, pois grande parte da fauna se alimenta da palmeira.

Rico em cálcio, potássio e magnésio, entre outros componentes, o óleo extraído da amêndoa do inajá é considerado mais nobre, podendo ser amplamente utilizado pela indústria cosmética.

O artigo foi escrito pelos agrônomos Otoniel Ribeiro Duarte, Jane Maria Franco de Oliveira, Dalton Roberto Schwengber e Liane Marise Moreira Ferreira, todos pesquisadores da Embrapa, e pelos químicos Antônio Alves de Melo Filho, professor do Mestrado em Química da UFRR e Rita de Cássia Pompeu de Sousa, analista da Embrapa Roraima.

Prêmio – O livro Palmeiras Nativas do Brasil foi premiado pela Associação Brasileira das Editoras Universitárias (ABEU), com menção honrosa na categoria Ciências Naturais e Matemáticas do Prêmio ABEU 2016, pelo conteúdo inovador e por conter informações que a sociedade científica desconhecia.

 

FONTE: UFRR

http://ufrr.br/ultimas-noticias/3280-pesquisadores-de-roraima-tornam-se-referencia-na-extracao-de-oleo-do-inaja   

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.