Situação dos povos indígenas no Brasil: disponível íntegra da audiência pública que debateu recomendações da ONU

Crédito: Antônio Augusto/ Secom/PGR
Crédito: Antônio Augusto/ Secom/PGR

Está disponível a íntegra da audiência pública “Situação dos povos indígenas no Brasil: recomendações da ONU”. Durante cerca de nove horas, mais de 400 indígenas de várias regiões do Brasil, entidades e instituições se reuniram no auditório da Procuradoria-Geral da República, em Brasília, para debater e encontrar formas de cumprir as recomendações da relatora especial sobre os Direitos dos Povos Indígenas da ONU, Victoria Tauli-Corpuz. 

Divulgado em setembro, durante a 33ª Reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, o relatório trouxe conclusões preocupantes sobre a atual situação das populações indígenas no Brasil. O documento destaca que esses povos estão mais vulneráveis agora do que em qualquer outro tempo desde a Constituição em 1988.

Durante o debate, as instituições citadas no relatório tiveram espaço para apresentar um balanço das ações que têm desenvolvido e o que poderão fazer para garantir o cumprimento das recomendações. Os indígenas também aproveitaram o momento para apresentar reivindicações e expressar o descontentamento com a forma como são tratados pelo governo.

Acesse aqui a íntegra da audiência

Os indígenas aproveitaram o momento para denunciar as violações de direitos cometidas contra seus povos e cobrarem as instituições brasileiras. Confira os depoimentos:  

Entrevista com Marcos Apurinã – Povo Apurinã do Amazonas 

 Entrevista com Ivan representando o povo Guarani Kaiowá

Entrevista com cacique Darã representando o povo Tupi Guarani de São Paulo

 

Entrevista com Sabá representando o povo Manchineri do Acre

 

Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República
(61) 3105-6406/ 6408  

 

VER MAIS EM: http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/situacao-dos-povos-indigenas-no-brasil-disponivel-integra-da-audiencia-publica-que-debateu-recomendacoes-da-onu  

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.