Países amazônicos articulam rede ambiental

20 de setembro de 2016  - Jaime de Agostinho

Cinco países que integram o bioma amazônico debatem, em Brasília, os rumos dos programas de conservação ambiental com proteção social. Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador e Guiana participam do primeiro seminário internacional sobre o tema. O encontro vai até sexta-feira (24/09) para trocar experiências e articular a criação de uma Rede de Panamazônica de Proteção Socioambiental. Serão debatidos programas como o Bolsa Verde, do Brasil, e o Conserbo, da Bolívia. 

“Estamos buscando o diálogo para fortalecer as iniciativas de conservação e ampliar os mecanismos de proteção social das comunidades que vivem e trabalham na floresta”, destacou o diretor de Extrativismo do Ministério do Meio Ambiente, Mauro Pires, durante a abertura do encontro.  Ele representou a secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Sustentável, Juliana Simões. O evento é promovido pelo Ministério do Meio Ambiente, com apoio da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Conservation Internacional e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O diretor da organização para o Brasil, Peter Poschen, abriu o seminário falando dos desafios dos programas de inclusão social e conservação da Amazônia. “Não há solução mágica, não tem panaceia”, afirmou, referindo-se à redução das desigualdades sociais no bioma. Ele defendeu a adoção de um “piso socioambiental” que garanta a vida digna para quem vive no bioma. “Quem vive da floresta, vive mal”, analisou.  Segundo ele, os países amazônicos terão que buscar soluções adequadas a suas realidades, levando em conta a eficiência, eficácia e equidade.

Poshen citou estudo realizado pelas Nações Unidas que alerta para a importância de estabelecer uma rede de proteção socioambiental para os povos da floresta.  Citou, como exemplo, a pesca nos rios amazônicos, responsável por quase 200 mil empregos. Elogiou o programa brasileiro do defeso, que permite o acesso ao seguro desemprego na época da reprodução dos peixes. 

Salientou que “o uso sustentável da floresta é capaz de gerar emprego e renda na Amazônia”, mas que “hoje, quem vive da exploração de produtos não madeireiros no bioma é a população mais pobre”.

PAULENIR CONSTÂNCIO

 

MATÉRIA RELACIONADA:

Países debatem inclusão socioambiental
Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA): (61) 2028-1227

 

 


Palavras-chave: , ,


Deixe um comentário

*