Seca do rio Madeira isola produtores no Sul do Amazonas

Cerca de 35 mil pessoas, boa parte, produtores rurais, moradores dos municípios de Apuí (distante 455 quilômetros) e da comunidade do Santo Antônio do Matupi, em Manicoré (a 883 quilômetros), no Sul do Amazonas, sentem os impactos negativos decorrentes da estiagem e o menor nível das águas do rio Madeira. Há uma semana os municípios estão impossibilitados de escoar sua produção e ainda de receber insumos necessários ao cultivo agrícola. As comunidades ainda sofrem com o desabastecimento do combustível, tendo como alternativa a compra em Itaituba, no Pará, a maiores custos.

De acordo com o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), Muni Lourenço, os municípios de Apuí e Manicoré são considerados polos expressivos da produção rural no Estado tanto na pecuária como na agricultura familiar. O presidente explica que devido ao menor nível do rio Madeira as embarcações que transportam combustível, ração para o gado, sementes e demais insumos até os municípios estão impossibilitados de navegar por alguns trechos do rio e por isso não conseguem fornecer os produtos necessários à atividade agrícola dos locais. Da mesma forma, a produção da pecuária e agrícola que é enviada a Manaus não consegue sair dos polos produtivos.

“O verão ainda está iniciando e o rio Madeira já secou muito, o que nos preocupa quanto ao abastecimento de produtos e escoamento da produção das comunidades em questão. Sal, combustível, gêneros alimentícios que vinham de Rondônia não têm mais condições de serem transportados por meio de balsa. A única alternativa é a utilização da BR-319 ou o fornecimento por Itaituba”, disse.

Portal Amazônia | AM | Economia

Leia a notícia completa aqui.

VER MAIS EM: http://midiaeamazonia.andi.org.br/clipping/seca-do-rio-madeira-isola-produtores-no-sul-do-amazonas  

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*