Primeiro indígena reitor quer expandir assistência estudantil em Roraima

Brasília - O professor roraimense Jefferson Fernandes do Nascimento, descendente de índios, foi eleito reitor da Universidade Federal de Roraima - UFRR (Valter Campanato/Agência Brasil)
O professor Jefferson Fernandes do Nascimento é o primeiro indígena eleito reitor de uma universidade no Brasil Valter Campanato/Agência Brasil

“Sou um sobrevivente”, diz o reitor da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Jefferson Fernandes do Nascimento. Ele é o primeiro indígena à frente de uma universidade federal no Brasil. No início de março, esteve em Brasília para ser empossado pelo Ministério da Educação e conversou com a Agência Brasil.          

Calmo e com um sorriso amável, Nascimento conta: “Sempre estudei em escola pública, pública indígena, inclusive, e só cheguei à universidade como docente porque casualmente tive a oportunidade de fazer o ensino público”. Doutor em Agronomia, 51 anos, ele comandará a instituição até 2020.

Como prioridades, o reitor diz que terá a ampliação da assistência estudantil, a oferta de pós-graduação a indígenas e a internacionalização da universidade. A UFRR foi criada em 1989. Atualmente, oferece 29 cursos de bacharelado, 20 licenciaturas e um curso tecnológico em três diferentes campi em Boa Vista.

Localizada na região Norte, a Ufrr lida com uma realidade específica, atende majoritariamente estudantes oriundos de escolas públicas e indígenas. Na universidade, está o Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena, que oferece cursos de gestão em saúde coletiva, gestão territorial e licenciatura intercultural. Os demais cursos reservam também vagas para esse público. Medicina foi o primeiro a aderir a esse sistema de cota.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista:

Agência Brasil: O que representa a UFRR na região?
Nascimento: Temos uma diversidade muito grande de alunos que ingressam na universidade, 20% a 30% são indígenas. Além dos três cursos específicos, que são cursos para indígenas: gestão territorial, licenciatura intercultural e gestão em saúde coletiva. E há um dado importante em relação a outras instituições federais é que desses 8,5 mil alunos em todos os cursos, 90% ou mais são oriundos de escolas públicas. Diferente de outras realidades, inclusive, da região Norte, que não tem esse percentual no ensino superior.

Agência Brasil: O que muda na instituição por atender majoritariamente alunos vindos de escolas públicas e indígenas? Que desafios o senhor terá que enfrentar?
Nascimento: Primeiro manter nível de assistência estudantil. Atendemos hoje de 40% a 50% dos estudantes que têm vulnerabilidade social e praticamente todos os indígenas. Expandir essa assistência é uma questão fundamental para os próximos quatro anos. A gente quer avançar na pós-graduação. Temos 35% de doutores na instituição, dos 570 professores. A gente perde muito doutor por estar longe da região central.

Agência Brasil: Nesse contexto de dificuldade financeira, o orçamento da UFRR sofreu muitos cortes? Que impacto isso teve?
Nascimento:  Hoje, nosso orçamento está garantido. Não haverá cortes na medida que não haja mais alterações no cenário econômico. Se compararmos com o ano passado, tivemos um ganho orçamentário. O que dificulta é que o financeiro não vem. Temos R$ 3 milhões para pagar de conta na universidade, assistência, restaurante, etc. O MEC [Ministério da Educação] manda, ao invés desses R$ 3 milhões, menos. Essa dificuldade a gente teve no ano passado. Neste ano, pelo menos até agora está tranquilo. E a garantia que tivemos do MEC é que não haverá corte. Dependerá apenas do financeiro.

Agência Brasil: O senhor diz que quer focar na formação indígena.
Nascimento: A gente quer incluir a participação da Ufrr na rede que está sendo criada pelo MEC, uma rede para atender com todas as ações que existem em várias universidades. Por exemplo, vou poder mandar alunos para fazer curso de graduação. Queremos também ofertar mestrado para os três cursos que já existem. Já há trabalho de formação de professores para trabalhar nas áreas indígenas, mas eles precisam avançar na formação, precisam se pós-graduar para continuar investindo na carreira. A gente quer propor uma parceria com a Capes [Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior] e criar mestrado na área de gestão territorial.

Agência Brasil: Por que é preciso formar cada vez mais indígenas?
Nascimento: Porque dificilmente não indígenas vão trabalhar em terra indígena. A gente entende que, formando o indígena, o atendimento na área indígena é facilitado porque ele se sente mais ambientado. Sabemos que a questão indígena é muito diversa. Os ianomâmis e  macuxis são culturas totalmente diferentes. Como há essa diversidade, temos que trabalhar nessa diversidade. Não é formar qualquer indígena. É formar indígena ianomâmi, indígena macuxi. Temos que avançar nessa direção, o que é um desafio.

Agência Brasil: O senhor mesmo é indígena?
Nascimento: Sim. Nascido em Surumu, Raposa Serra do Sol. Na verdade, sou um sobrevivente do processo. Sempre estudei em escola pública, pública indígena inclusive e só cheguei à universidade como docente porque casualmente tive a oportunidade de fazer ensino público, estudar na universidade federal. Senão, eu não estaria aqui para contar essa história. E a universidade federal tem esse papel, de corrigir, de minimizar, de dar oportunidade para essas pessoas se qualificarem. Tem uma dívida social que temos com essas comunidades.

Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil

Edição: Kleber Sampaio
FONTE: EBC

 

2 comentários sobre “Primeiro indígena reitor quer expandir assistência estudantil em Roraima”

  1. Direcionar investimentos educacionais em função de etnia é estabelecer divisão que não tem base o mérito.
    Além disso, a idéia de da formação exclusiva de indígenas para atender indígenas, busca a consolidação do aprtheid cultural e racial que tem permeado a interferência externa em Roraima.
    O novo Reitor, com dinheiro do contribuinte nacional quer dar continuidade às políticas deletérias implantadas Por seus antecessores de inspiração e apoio direto de delirantes e decadentes filo- comunistas caribenhos, como a sua antecessora.

    * A equipe do ECOAMAZÔNIA esclarece que o conteúdo e opiniões expressas nos COMENTÁRIOS são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião deste ‘site”.

  2. Perfeito.
    É a era Meiji chegando para os índios brasileiros, 150 anos depois de ter atingido o Japão.
    É o fim de uma estagnação que dura desde 5000AC, quando da descoberta da utilização da mandioca, que cristalizou a população indígena sob os pontos de vista cultural, agrícola, religioso e hierárquico.
    Este pelo menos é um fato alvissareiro para os índios de Roraima.
    Salvo se Universidade continuar no triste afã de formar quadros para o governo brasileiro empregar. Neste momento já temos profissionais demais e já não existe mercado, para todos.
    Vejam as centenas, senão milhares de enfermeiras, advogados, engenheiros, professores, desempregados ou de baixos níveis salariais. Daqui para pior.
    Não se criam profissionais para um mercado livre, somente para o mercado de escravos estatais.
    Dr. Antonio Loureiro
    Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Amazonas.



    * A equipe do ECOAMAZÔNIA esclarece que o conteúdo e opiniões expressas nos COMENTÁRIOS são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião deste ‘site”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.