RR – Estado pede apoio para conclusão do Linhão de Tucuruí

No encerramento do 12º Fórum de Governadores da Amazônia Legal, realizado nesta sexta-feira, dia 20, em Belém (PA), a governadora Suely Campos (PP) pediu apoio dos chefes dos executivos da região, para a construção do Linhão de Tucuruí entre Manaus (AM) e Boa Vista (RR).    

A conclusão da obra é uma providência imprescindível para que o estado obtenha energia confiável, farta e barata, abrindo perspectivas de desenvolvimento para a economia estadual, além de atender às demandas permanentes da população.

A governadora pediu que os colegas da Amazônia Legal “adotassem” Roraima, por ser o menor estado do país, economicamente, e ainda carente de ações estruturantes como energia, a propriedade de terras e opções de escoamento da produção.

“Roraima é o único estado que não faz parte do Sistema Nacional e está vivendo um momento difícil, em que a energia de Guri se tornou insuficiente, com oscilações de tensão e apagões frequentes. Por isso, necessitamos urgentemente que avance a obra de construção do Linhão de Tucuruí”, disse Suely, ao defender a causa junto aos demais governadores da região Amazônica.

Suely Campos também vai pedir à presidenta Dilma que seja refeito o decreto de transferência das terras da União, para excluir a Unidade de Conservação dos Lavrados, que pela redação atual, pode penalizar a região do Ereu, no município de Amajari, que é uma área produtiva.

O pedido defende que não há necessidade desta unidade de conservação, já que mais da metade do lavrado roraimenses já está preservado nas terras indígenas São Marcos e Raposa Serra do Sol, situadas nas regiões Norte e Nordeste do estado, onde predominam este ecossistema.

Outro pedido da governadora diz respeito ao potencial de comércio com países vizinhos como a Venezuela e a Guiana, com a vantagem da proximidade do porto de Guanta, na Venezuela, que fica a dois dias do canal do Panamá e de frente para os mercados consumidores do Caribe.

Suely solicita que seja feito um acordo entre o Brasil e o governo venezuelano, semelhante ao firmado em 1957, quando o Brasil cedeu docas ao Paraguai, no porto de Paranaguá, para que Roraima disponha de docas exclusivas nesse porto de mar, para o escoamento da produção.

Com informações da Secom-RR

Por Folha Webhttp://www.folhabv.com.br/noticia/Estado-pede-apoio-para-conclusao-do-Linhao-de-Tucurui/11716   

Governadora terá reunião com Dilma para tratar do Linhão de Tucuruí 

Na próxima segunda-feira, 23, a governadora Suely Campos (PP) se reunirá com a presidente da República Dilma Rousseff (PT) para tratar da construção do Linhão de Tucuruí, que interligará Roraima ao Sistema Interligado Nacional (SIN) por meio de Manaus (AM). O anúncio foi feito pela própria governadora durante a 12ª reunião do Fórum de Governadores da Amazônia Legal, realizada ontem, 20, em Belém (PA).

Suely aproveitou a presença dos governadores do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins para pedir apoio e apresentar uma carta de reivindicações, que será entregue a Dilma Rousseff na segunda-feira. Na carta, a governadora pede atenção da presidente para “três grandes e relevantes proposições de importância estratégica para o desenvolvimento sustentável do Estado, que não demandam praticamente nenhum aporte de recursos federais”.

Ao longo do texto, ela destaca que a primeira reivindicação é referente à liberação da execução da linha de transmissão, a partir de Manaus, interligando Roraima ao Sistema Interligado Nacional (SIN). “Trata-se de providência imprescindível, visando propiciar energia confiável, farta e barata em atendimento a demandas permanentes da população e abrindo perspectivas de novos investimentos produtivos”, frisa.

Para a governadora, os impactos ambientais e a cultura indígena são mínimos “posto que a altura das torres excede a copa das árvores mais altas e o uso de tecnologia reduz a mão-de-obra empregada, em consequência os contatos com os indígenas são minimizados. Causa estranheza essa situação surreal, posto que o Governo Federal foi compelido a adotar procedimentos emergenciais na instalação de parque termoelétrico adicional, altamente poluente e muito caro, para complementar a energia suprida pelo Linhão de Guri, absolutamente ineficiente e de baixa qualidade, com oscilações de tensão e apagões frequentes”, afirma.

O segundo ponto da carta diz respeito à regularização fundiária de Roraima, ainda pendente em função da exigência da criação da Unidade de Conservação Lavrados. A governadora reafirma, no texto, que a criação da UC Lavrados não se justifica, uma vez que o bioma cerrado, conhecido como lavrado, já se encontra perfeitamente protegido nas terras indígenas homologadas no Estado.

“O Estado não tem a mínima possibilidade de dispor de terras não protegidas para a criação dessa UC. Por isso, o governo reivindica a reedição do decreto que regulamenta as transferências das glebas da união para o estado, excluindo a criação da UC Lavrados”, pede.

Por último, Suely Campos pede que a presidente Dilma Rousseff interceda diplomaticamente, junto ao Governo da Venezuela, para que docas em porto a ser selecionado no país vizinho possam atender ao comércio exterior de Roraima, “da mesma forma que o Brasil ofereceu, há muitos anos, docas do porto de Paranaguá para que o Paraguai tivesse acesso ao mar e agora proporciona a mesma solução à Bolívia”.

“Essa conquista dará a Roraima um porto no Caribe […] A localização é perfeita para alçar o voo da exportação, além de suprir o mercado do Amazonas. A nova rota de escoamento da produção de Roraima beneficiará os demais estados da Amazônia Ocidental, configurando solução promissora e competitiva de logística para a produção agrícola regional”, destacou a governadora.

Para finalizar, Suely pede, “em nome do povo de Roraima, o direito às terras, à energia farta e confiável, a um porto de mar, em benefício de Roraima e do Brasil”. A carta é assinada também pelos governadores Simão Jatene (PA), Waldez Góes (AP), Flávio Dino (MA), Confúcio Moura (RO), Tião Viana (AC), José Melo (AM), Pedro Taques (MT) e Marcelo Miranda (TO).

Além da governadora Suely Campos, os senadores Ângela Portela (PT) e Telmário Mota (PDT) também participarão da reunião com a presidente Dilma Rousseff, que será realizada às 15 horas de segunda, 23, em Brasília. Na manhã de segunda, às 11 horas, a presidente Dilma deverá receber o senador Telmário Mota para tratar dos mesmos assuntos, mas em uma audiência particular. (V.V)

Amazônia Legal terá Conselho de Governadores

Durante a 12ª reunião do Fórum de Governadores da Amazônia Legal, realizada ontem, em Belém, foi anunciada a criação do Conselho de Governadores da Amazônia Legal. A informação foi dada pelo anfitrião do encontro, o governador do Pará, Simão Jatene, para fortalecer os estados nos aspectos político, econômico, social e ambiental.

A decisão foi tomada em reunião fechada com a presença dos nove governadores, antes do início do evento. Segundo a governadora de Roraima, Suely Campos (PP), esse conselho concretiza que a união dos governantes da Amazônia vem sendo sedimentada desde o início do ano para que o Brasil possa implementar uma efetiva política de desenvolvimento sustentável para a região, e não uma política voltada exclusivamente para a conservação do bioma.

Antes da abertura do Fórum, os secretários de Meio Ambiente se reuniram para minutar a Carta de Belém, documento assinado pelos governadores, ao final do fórum. Uma das propostas é a criação de um fundo da Amazônia para captação de recursos nacionais e internacionais para viabilizar a política ambiental e desenvolvimento sustentável da região.

De acordo com o governador Simão Jatene, a próxima reunião do Fórum dos Governadores da Amazônia Legal será realizada em Macapá (AP) após o carnaval de 2016. A edição realizada em Belém foi a terceira do ano, sendo as duas primeiras em Cuiabá (MT), em maio, e em Manaus (AM), em julho.

Por Vanessa Vieira  – http://www.folhabv.com.br/noticia/Governadora-tera-reuniao-com-Dilma-para-tratar-do-Linhao-de-Tucurui/11721

FONTE: Jornal Folha de Boa Vista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*