Cooperação técnica reúne 16 países – Mudanças climáticas é uma das prioridades da Redparques

A primeira reunião do Conselho da Rede Latinoamericana de Cooperação Técnica em Parques Nacionais, outras Áreas Protegidas, Flora e Fauna Silvestres (Redparques) está sendo realizada nesta semana (de 12 a 14), em Lima (Peru). Representantes das instituições responsáveis pelos sistemas de áreas protegidas de 16 países da América Latina e do Caribe participam do encontro.       

São países com similaridades ecológicas e sócio econômicas. O Brasil está representado na Redparques pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia responsável pela administração das 320 Unidades de Conservação federais brasileiras. Países que participam da reunião: Peru, Colômbia, Equador, Guatemala, Uruguai, Brasil, República Dominicana, Costa Rica, Guiana, Paraguai, Honduras, Guiana Francesa, Chile, Bolívia, Panamá e Venezuela.

“A Redparques permite a troca de experiências e define padrões para medir a efetividade da gestão das áreas protegidas”, explica o presidente do ICMBio, Claudio Maretti. “A gente aprende com a experiência dos outros países e leva nossa experiência positiva para eles, em várias áreas: turismo sustentável, concessões e capacitação, por exemplo. Nós compartilhamos ecossistemas – Amazônia, Pantanal, oceanos – com outros países e precisamos ter modelos de gestão e de monitoramento semelhantes”, conclui Maretti.

“O encontro está sendo muito produtivo. A oportunidade de interagir com outros sistemas de áreas protegidas é extremamente benéfica para a conservação da biodiversidade”, avalia o gerente de projetos do Departamento de Áreas Protegidas (DAP) do MMA, André Lima.

Troca de experiências

Projetos considerados exitosos, de vários países, foram apresentados na reunião. O Uruguai apresentou propostas para o fortalecimento da conservação e das áreas protegidas por meio de melhor integração com atividades econômicas, como a pesca artesanal, o turismo e a produção de carne em campos naturais.

Pelo Brasil, o DAP apresentou a experiência positiva do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), que apoia 105 Unidades de Conservação na região. “Houve bastante interesse dos países sobre a questão da sustentabilidade financeira das Unidades de Conservação e o novo modelo do fundo que resultou da iniciativa Arpa para a Vida” explica a analista ambiental do MMA, Veronica Barros.

A Redparques promove a construção de uma visão regional para a Amazônia, baseada em cinco temas relacionados às áreas protegidas: monitoramento (da gestão e da biodiversidade), definição de áreas prioritárias para a conservação, sustentabilidade financeira, participação social e importância de áreas protegidas para o combate e a adaptação às mudanças climáticas.

Mudanças climáticas

As florestas absorvem grandes quantidades de calor e de carbono. E o rio Amazonas é responsável por cerca de vinte por cento da água liberada pelos rios de todo o mundo. No Brasil, a maior parte das emissões dos gases de efeito estufa é consequência do desmatamento e da degradação florestal. Por isso, o combate ao desmatamento deve ser uma prioridade para os governos.

O Arpa tem sido muito útil para a conservação das florestas e confirma que proteger a natureza não é um obstáculo para o desenvolvimento. Em uma reunião da ONU, em 2014, A Union of Concerned Scientists divulgou pesquisa em que o Brasil aparece como o país que mais reduziu o desmatamento e as emissões de gases que causam aquecimento global.

Mesmo longe das florestas, as grandes cidades também têm são responsáveis por evitar o avanço das mudanças climáticas. A implantação de projetos sustentáveis é um dos caminhos. Transporte público eficiente, saneamento, incentivar projetos que usem energias renováveis, entre outras, são ações positivas que deveriam ser adotadas amplamente. As áreas verdes urbanas precisam ser conservadas e novas áreas precisam ser criadas. Elas minimizam os efeitos das mudanças climáticas.

A proposta de declaração da Redparques sobre mudanças climáticas e áreas protegidas para a COP 21, foi debatida pelo grupo reunido, em Lima. “Chegamos a um consenso”, afirma o coordenador da Redparques, Pedro Gamboa. “Expressaremos a vontade de que se reconheça a importância das áreas protegidas para enfrentar às mudanças climáticas”, pontuou Gamboa. A COP será realizado em dezembro, em Paris.

Comunicação integrada

Para fortalecer os sistemas de áreas protegidas da região amazônica, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) coordena o projeto Visión Amazónica que apoia o trabalho da Redparques. Para a FAO, os recursos naturais da Amazônia são cruciais para a segurança alimentar.

Em sintonia com o objetivo de integração e troca de experiências, foi criada a Rede de Comunicadores da Visión Amazónica, composta por profissionais de comunicação de cinco países: Brasil, Colômbia, Peru, Equador e Bolívia. “É importante consolidarmos a rede de comunicadores e que outros países participem. É o caminho para que as ações de comunicação tenham mais visibilidade”, afirma a jornalista do Serviço Nacional de Áreas Protegidas do Peru (Sernanp), Claudia Zevallos.

“Pela primeira vez, desde a abertura desta reunião, todos os comunicadores dos países participantes estão conectados, publicando notícias sobre o evento”, comemora Zevallos. “A rede pode ser imensamente beneficiada se, além dos técnicos dos sistemas de áreas protegidas, os comunicadores dos países membros também trabalharem em conjunto”, avalia a coordenadora de comunicação da Visión Amazónica, Adriana Silva.

Noticias relacionadas

Representantes de sistemas de áreas protegidas de 16 países participarán en reunión del Consejo de REDPARQUES

Representantes de sistemas de áreas protegidas de 16 países participarán en reunión del Consejo de REDPARQUES

Com informações do MMA, FAO e Sernanp.

João Freire  –  joao.freire@icmbio.gov.br

Comunicação ICMBio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.