22 de Março – Dia Mundial da Água

Água, líquido incolor, insípido, puro e fator fundamental para a sobrevivência do planeta. Água, substância essencial à vida. O composto químico estável, formado pela união de dois átomos de hidrogênio (H) e um de oxigênio (O), apareceu no planeta há bilhões de anos atrás. Desde então, a água é fundamental para a manutenção da biodiversidade de todos os ciclos naturais, a produção de alimentos e a preservação da própria vida. Cada vez mais ela vem se tornando um recurso estratégico para a humanidade. Todas as grandes civilizações do passado e do presente, assim como as do futuro, dependem e dependerão da água para sua sobrevivência econômica e biológica, e para o seu desenvolvimento econômico e cultural. E, muito embora essa dependência seja evidente para a sobrevivência e o desenvolvimento das sociedades, os homens poluem e degradam esse recurso natural. 

A água ocupa 70% da superfície da Terra. A maior parte, 97%, é salgada. Apenas 3% do total é água doce e, desses, 0,01% vai para os rios, ficando disponível para uso. O restante está em geleiras, icebergs e em subsolos muito profundos. Ou seja, as águas que constituem os rios e lagos nos continentes e as águas subterrâneas são relativamente escassas. E é justamente essa água doce a fonte que produz alimentos e colheitas, e mantém a biodiversidade, os ciclos de nutrientes e as atividades humanas. “Sem água de qualidade adequada, a vida fica comprometida”, alerta o o engenheiro Paulo Ferraz Nogueira, especialista no uso racional da água como uma das saídas para combater a escassez.

As fontes de água doce têm sofrido um processo intenso de degradação, especialmente nos últimos cem anos, em razão de um conjunto de atividades humanas sem precedentes na história: construção de hidrovias, urbanização acelerada, uso intensivo das águas superficiais e subterrâneas na agricultura e na indústria. “A deposição de resíduos sólidos e líquidos em rios, lagos e represas, o desmatamento e ocupação de bacias hidrográficas têm produzido crises de abastecimento e crises na qualidade das águas”, aponta o engenheiro.

O alerta da escassez: cinquenta anos. Esse é o tempo estimado para que metade da população mundial conviva com a escassez crônica de água, caso nenhuma providência seja tomada para conter o consumo indiscriminado do recurso natural. Os sucessivos ataques ao ciclo hidrológico levam os estudiosos a crer que a humanidade aguarda um futuro em que a água será mais do que um bem de consumo em extinção, mas um fator decisivo na explosão de conflitos armados pela disputa gota a gota.

Exatamente por isso, governo, organizações ambientais e empresários cada vez mais realizam campanhas e desenvolvem tecnologias para um uso consciente e racional da água. Conforme relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil tem 12% das reservas mundiais de água potável. Aqui também se encontram o maior rio do mundo – o Amazonas – e o maior reservatório de água subterrânea do planeta – o Sistema Aquífero Guarani.  Políticas públicas e um melhor gerenciamento dos recursos hídricos em todos os países tornam-se hoje essenciais para a manutenção da qualidade de vida dos povos. “Se o problema de escassez já existente em algumas regiões não for resolvido, ele se tornará um entrave à continuidade do desenvolvimento do país, resultando em problemas sociais, de saúde, entre outros”, observa o engenheiro Paulo Ferraz.

Veja os números do destino da água no Brasil:

Em cada residência, no Brasil, cerca de 200 litros diários são consumidos. 27% vão para consumo (cozinhar, beber água), 25% para higiene (banho, escovar os dentes), 12% para lavagem de roupa; 3% para outros fins (lavagem de carro) e, finalmente, 33% para descarga de banheiro. Isso mostra que poderíamos ter tanto nas cidades como nas indústrias duas redes de água, reusando a “água cinzenta”, que são as águas resultantes de lavagens e banho, para a descarga de latrinas. Através de uma solução como esta se poderia economizar 1/3 de toda água consumida. E vale a pena lembrar de alguns dados quando utilizamos a nossa água de cada dia.

Os números são da ONU, que alerta para o futuro do planeta:

– 40% da população mundial já enfrentam escassez de água;
– 2,2 milhões de pessoas morrem a cada ano por beberem água contaminada;
– aproximadamente 21 países já sofrem com a escassez de água;
– a partir de 2025, segundo a ONU, teremos uma séria crise de abastecimento de água, atingindo 2,8 bilhões de pessoas;
– conflitos violentos pelo controle da água são registrados em 70 regiões do planeta;
– o consumo mundial de água dobra a cada 20 anos;
– a disponibilidade  de água per capita no planeta foi reduzida em 60% nos últimos 50 anos;
– 25% da população do planeta não têm acesso a água potável;
– no mundo, 50% da água que vão para as grandes cidades é desperdiçada;
– no Brasil este percentual chega a 40%;
– 99% da água existente no planeta não estão disponíveis para o uso humano;
– no mundo ocorrem 4 milhões de casos de diarreia por ano;
– 72% dos leitos hospitalares são ocupados por pacientes vítimas de doenças transmitidas pela água;
– 58% dos municípios brasileiros não têm água tratada.

Dicas de uso racional da água.

FONTE:   http://www.portoweb.com.br/ 

http://www2.portoalegre.rs.gov.br/pwdtcomemorativas/default.php?reg=4&p_secao=59

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.