TRF-1 suspende liminar que impedia construção de hidrelétrica na Amazônia

A paralisação de uma hidrelétrica de grandes proporções pode acarretar prejuízos ambientais e sociais. Com esse argumento, o presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, desembargador federal Mário César Ribeiro, suspendeu liminar que parava a construção da Usina Hidrelétrica de São Manuel, região sul do estado do Pará.

De acordo com a Advocacia-Geral da União, todos os trâmites legais exigidos para a implantação da hidrelétrica foram obedecidos pelos órgãos federais envolvidos no empreendimento. Os advogados públicos afirmaram que a paralisação causaria prejuízo à sociedade. “O custo incorrido com a contratação de disponibilidade de fontes térmicas a partir de Leilões A-3, em substituição à energia provida por São Manoel, seria de R$ 549 milhões/ano”, alertou a AGU.

A obra era questionada em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal A construção chegou a ser suspensa por determinação judicial, com a concessão de liminar a pedido do MPF. A Procuradoria-Regional da União na 1ª Região e a Procuradoria-Regional Federal na 1ª Região apresentaram contestação.

Segundo a AGU, até mesmo o Sistema Interligado Nacional poderia ser comprometido. Caso o início das atividades da usina fosse atrasado, o Estado seria obrigado a acionar as usinas termelétricas, consideradas mais caras e mais poluentes.

A decisão, que suspendeu a liminar concedida em favor do MPF, lembrou que sentenças anteriores já haviam conferido legitimidade ao empreendimento e garantido a continuidade das obras. Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.

Fonte: Revista Consultor Jurídico

VER MAIS EM: www.amazonia.org.br 

http://amazonia.org.br/2015/01/trf-1-suspende-liminar-que-impedia-constru%C3%A7%C3%A3o-de-hidrel%C3%A9trica-na-amaz%C3%B4nia/?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Not%EDcias+da+Amaz%F4nia+-+21+de+janeiro+de+2015

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.