URGENTE: Marãiwatsédé (Suiá-Missu) está em chamas

Imagem do satélite LandSat-8, da Agência Espacial Norte Americana, mostra diversos focos de incêndio no entorno da aldeia Xavante de Marãiwatsédé, no nordeste do Mato Grosso. A imagem foi capturada por volta das 13:30 horas de hoje (21), no horário de Brasília. Até o momento, o sistema de monitoramento de queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostra 615 focos de calor no interior da Terra Indígena. O número é quase 10 vezes superior ao registrado no mesmo período do ano passado quando quase 80% da área foi calcinada por incêndios.

Fogo no Buraco X

A Terra Indígena Marãiwatsédé foi demarcada pela Funai sobre a área remanescente da antiga Fazenda Suiá-Missu como área de ocupação tradicional de índios xavante. Até o final de 2011 a área era ocupada por milhares de produtores rurais não indígenas. Todos foram expulsos pelo Governo numa grande operação de limpeza étnica que culminou com a entrega da área aos índios xavantes em abril de 2012.

No ano passado a área foi quase totalmente calcinada por incêndios que começaram no entorno da aldeia onde vivem os índios. Muito embora os índios xavante tenham o hábito de queimar seu território em atividades de caça como um traço inerente a sua cultura, na ocasião o Governo e o Ibama se apressaram em inocentá-los culpando os não indígenas de atear fogo criminosamente à área. O episódio foi reportado e acompanhado por imagens de satélite aqui no Questão Indígena desde o primeiro incêndio ocorrido no dia 02 de julho de 2013 e chegou a ser destaque no Jornal Nacional da rede Globo.

VER ÍNTEGRA DA MATÉRIA EM :

http://www.questaoindigena.org/2014/07/urgente-maraiwatsede-suia-missu-esta-em.html#more

NOTA : A Ecoamazônia está divulgando a questão dos incêndios na Região da Gleba Suiá Missú com base nas reportagens de sites disponíveis na INTERNET, sem emitir juízo de valor, só demonstrando preocupação com os danos ambientais. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.