RR – Desintrusados da TI Raposa Serra do Sol estão há dois anos esperando energia

Desde que foram retiradas da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, aproximadamente 25 famílias de não-índios vivem na região denominada Murupú, na área rural de Boa Vista. Entre outros problemas, a falta de energia elétrica é uma das principais dificuldades enfrentadas pelos moradores.

Em julho de 2010, a Secretaria Estadual de Infraestrutura (Seinf) assinou extrato do termo de contrato nº 119/2010 do processo nº 012601/2009-24 contratando a empresa Damasco Comércio e Serviços Ltda. para a construção de rede elétrica na Vicinal 7, na localidade de Murupú, no prazo de 90 dias, no valor de R$ 718.887,18.

O serviço foi executado, mas não concluído, segundo os moradores da região. No local, cerca de dois anos depois de construída, a rede de energia apresenta danos. Alguns postes caíram e outros estão deteriorados devido à ação do tempo. Até os relógios foram instalados, mas a energia não foi ligada.

Enquanto o serviço sem uso, pago com recurso público, está abandonado, os moradores se “viram” como podem. A energia é somente à base de motor e até de lamparinas. “O serviço executado foi de péssima qualidade. É tanto que a Boa Vista Energia [Eletrobras] nem fez a ligação da energia. Enquanto isso, as famílias que já perderam tudo na Raposa Serra do Sol vivem com dificuldade, sem energia elétrica”, disse o denunciante.

Um dos moradores mais antigos da região é o aposentado Moadir Lucena, 74 anos. Ele reside na localidade com quatro filhos e a mulher, com dificuldades devido à falta de energia elétrica. “Há mais de dois anos essa estrutura está montada. Quando eles acabaram o serviço disseram que daqui a uma semana eu já teria luz, mas até hoje isso só ficou na promessa”, comentou.

“A minha televisão está parada, sem uso. O freezer e a geladeira eu tive que arrumar para outra pessoa para não estragar. É muito difícil nossa situação”, disse o aposentado. Um rádio a pilha é o único aparelho na residência de Lucena.

A água para lavar roupa, tomar banho e para o consumo da família vem do poço. Sem energia para funcionar a bomba, a única saída é puxar os baldes de água, cerca de 30 por dia. “Eu fico com os braços doídos, mas não tem outro jeito. Se tivesse energia comprava uma bomba”, informou.

A moradora Nair Isbarraíne é outra que relata a dificuldade enfrentada pelos moradores da região devido à falta de energia elétrica. “A dificuldade é total. Colocaram poste e até o contador, mas há dois anos esperamos que executem a ligação e nada”, destacou ao falar do abandono da rede de energia construída.

FISCALIZAÇÃO – O coordenador estadual do Comitê do Programa Luz Para Todos, José Pinheiro Cordeiro, representante do Ministério de Minas e Energia, informou que uma empresa já foi contratada pela Seinf para restaurar e finalizar a construção da rede elétrica na região do Murupú para que a Eletrobras Distribuição Roraima, responsável pela localidade, proceda a ligação da energia elétrica.

Ele informou que a construção da rede elétrica foi fruto de emenda parlamentar. “Só que não ficou nos padrões que Eletrobras trabalha, que é com cabo neutro. A empresa contratada vai ter que colocar cabo neutro na rede de ponta a ponta e concluir o serviço. Ficou faltando cerca de 1km para poder energizar a rede e liberar para os consumidores”, informou.

Os cabos neutros já foram encomendados e a previsão de conclusão da obra, que ainda não começou, é dezembro deste ano, conforme ata de reunião do Comitê Gestor Estadual. “Temos fiscalizado e cobrado a finalização do serviço. É compromisso do Governo Federal e também do Governo Estadual dar condições de sobrevivência a essas famílias”, destacou Cordeiro.

Devido ao feriado prolongado, a reportagem não conseguiu contato com a Seinf para esclarecer sobre serviço realizado na localidade e a nova contratação, se seria ou não aditivo. 

FONTE  :  Folha de Boa vIsta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.