Inclusão social e geração de renda são elementos importantes quando de fala em preservação ambiental

Técnicos de instituições governamentais, das organizações sociais e dos setores produtivo e privado participam, a partir Desta terça-feira (27/11), no município paraense de São Félix do Xingu, do curso de capacitação em promoção de cadeias de valor, processo pelo qual são agregados valores monetários e não monetários aos produtos, em todas as etapas de produção.

O curso é iniciativa do Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com as secretarias estadual e municipal de Meio Ambiente e o apoio da agência de cooperação alemã de desenvolvimento – Deutsche Gesellschaft fur Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH . Visa o fortalecimento da capacidade técnica das instituições e organizações locais, para o controle do desmatamento, de forma articulada com as estratégias de desenvolvimento local e setorial. A ação é baseada na inclusão social e geração de renda, com proteção e conservação dos recursos naturais. Além deste, já ocorreram os cursos de capacitação em boas práticas agropecuárias e em licenciamento ambiental.

Em âmbito nacional, a estratégia de controle do desmatamento no município está consolidada no Projeto “Pacto Municipal para a Redução do Desmatamento em São Félix do Xingu”. O trabalho é coordenado pelo MMA, por meio da Secretaria de Extrativismo de Desenvolvimento Rural Sustentável (SEDR), com o envolvimento da comunidade local e apoio técnico e financeiro da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e Comissão Europeia (CE).

METODOLOGIA

O curso será ministrado com base na metodologia “ValueLinks”, instrumento de compartilhamento de experiências que estrutura o conhecimento do fomento de cadeias de valor em 11 módulos organizados de acordo com o ciclo do projeto. Os técnicos vão conhecer e descrever essa metodologia, utilizada para o mapeamento e análise de cadeias de valor. O curso também objetiva integrar equipes interdisciplinares para desenhar e programar processos de fomento às principais cadeias de valor do município e incorporar, em seu trabalho diário, as orientações metodológicas do fomento à cadeia de valor, propiciando ações conjuntas com instituições parceiras.

Os técnicos serão capacitados para formular estratégias de melhoria das cadeias produtivas do cacau, gado, leite e lavoura branca, por meio de exposições teóricas e exercícios práticos. ”A necessidade de melhoramento dessas cadeias produtivas é uma demanda apresentada pelo município nas audiências públicas para a criação do Pacto Municipal para o fim do desmatamento ilegal”, afirma a gerente local do projeto, Tânia Silva.

Entre as instituições e organizações que participarão do evento estão as secretarias estadual e municipal de meio ambiente, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Fundação Nacional do Índio (Funai), Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, Sindicato dos Produtores Rurais, Associação para o Desenvolvimento da Agricultura Familiar no Alto Xingu (Adafax), Casa Familiar Rural e outros. O curso será realizado no Salão Paroquial Padre Santiago e encerra no próximo dia 30.

COMEÇO

Os cursos voltados para a capacitação em desenvolvimento de boas práticas agropecuárias e de licenciamento ambiental deflagraram o processo de capacitações técnicas em São Felix do Xingu, dentro da estratégia de controle do desmatamento. O primeiro, realizado no mês passado, foi destinado ao setor produtivo rural; e o segundo, encerrado no último dia 23, foi bastante positivo na avaliação dos técnicos e da gerente local do projeto. “As capacitações são importantes para o desenvolvimento ambiental do município, que enfrenta ainda grande deficiência neste setor”, afirma Tânia Silva.

De acordo com o engenheiro ambiental Luiz da Silva Macedo, técnico da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Saneamento (Semmas), que participou do curso de capacitação em licenciamento, a capacitação foi importante para todos os técnicos, principalmente para nós da Semmas, que lidamos diretamente com a regularização ambiental dos empreendimentos utilizadores dos recursos ambientais do município. A representante da Adafax, Celma Gomes de Oliveira, também elogiou o curso de licenciamento, destacando a sua importância para o fortalecimento da gestão ambiental local. 

CÉLIA SOUZA , da SEDR – MMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.