PA – Ocupação de índios no sítio Belo Monte chega ao quarto dia

Há quatro dias, cerca de 150 índios das etnias Juruna, Xikrin e Arara estão acampados em um dos canteiros de obra da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, em Altamira, sudoeste do Pará. Eles reivindicam a garantia de ajuda as aldeias afetadas pela Usina.

Enquanto isso, as atividades que envolvem a construção do barramento do rio Xingu estão suspensas por tempo indeterminado. Os funcionários foram liberados do trabalho.

A preocupação dos índios é com o futuro das aldeiras que, segundo eles, sofrem com os impactos da construção da barragem. Entre as melhorias que os indígenas pedem a empresa responsável pela obra, a Norte Energia, está a regulamentação das terras indígenas, fornecimento de suprimento, construção de estradas, transporte e abastecimento de água. Essas medidas estão lista de ações que devem ser cumpridas pela empresa.

Os índios aguardam a presensa do presidente da empresa Norte Energia para discutir as reivindicações. O Consórcio de Belo Monte entrou na Justiça e pediu a reintegração de posse da área, mas teve o pedido negado. A juíza federal Priscila Pinto Azevedo entendeu que é necessária a preservação da integridade física das pessoas e que a desocupação, se ocorrer, deve ser por meio de acordo, com intervenção da Fundação Nacional do Índio (Funai) e sem a presença de força policial.

A reunião entre os índios e a empresa está marcada para a próxima quinta-feira (28), quando os pedidos dos indígenas devem ser discutidos.

FONTE  G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*