PA – Instituições de pesquisa se preparam para Rio+20

Debates sobre a Amazônia reúnem propostas para evento nacional. Museu Paraense Emílio Goeldi lançou Censo da Biodiversidade.

A partir desta segunda-feira (28) instituições de pesquisa do Pará participam do Seminário “Amazônia +20: Construindo uma Agenda de Sustentabilidade”. O evento realizado na Universidade Federal do Pará (UFPA) busca reunir as agendas políticas das universidades e das demais instituições de pesquisa do estado para a Conferência das Nações Unidas, Rio+20, prevista para acontecer entre 13 e 22 de junho no Rio de Janeiro. Entre os temas debatidos estão a economia verde, a biodiversidade, as mudanças climáticas e os serviços ambientais na Amazônia.

Durante a programação serão também apresentados resultados de ações com indígenas na Região Amazônia, especialmente de projetos que trabalham com a negociação de créditos de carbono. O Seminário Amazônia+20 é gratuito, aberto para toda a comunidade. 

O evento é organizado pela UFPA, mas tem parceria de outras instituições, como a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), a Universidade Estadual do Pará (UEPA) e a Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). Além deles, o Seminário conta com a presença do Museu Emílio Goeldi, do Instituto Socioambiental, da FUNAI, do Ministério Público Federal, além de representações de outros estados, todos visando discutir problemas socioambientais e fazer interlocuções com a sociedade, a fim de estimular mudanças.

Debate sobre Rio+20 já começou em Belém – A Universidade do Estado do Pará (UEPA) também já anunciou sua participação no Rio+20. Entre os debates defendidos pela instituição estão os assuntos ligados à biotecnologia. “É preciso denunciar o Brasil em relação a Amazônia na Rio +20. Precisamos de uma revolução científica para se dar conta de todos os recursos que temos na região ligados à biotecnologia”, comentou aMaria das Graças Silva, vice-reitora da UEPA, em programação realizada ao longo da semana no Pará.

Já o Museu Paraense Emílio Goeldi promoveu um debate específico sobre biodiversidade durante a mesa-redonda “A biodiversidade amazônica no contexto da Rio+20”. Além de discutir temas como o panorama da ciência, da conservação e da economia na Amazônia, a programação também lançou o Censo da Biodiversidade e do prospecto Espécies do Milênio, ambos organizados pelo Museu. 

FONTE : G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.