AC – Situação continua indefinida na fronteira do Brasil com a Bolívia – desdobramentos

CONFLITO: audiência pode discutir abusos contra acreanos na Bolívia. Situação de acreanos tem se agravado diariamente em terras bolivianas.

Durante a sessão desta quarta-feira (9) o deputado Manoel Moraes (PSB) usou a tribuna da Assembléia Legislativa do Acre (Aleac) pedindo ajuda aos pares do parlamento para traçar estratégia de ação política intervencionária em prol dos acreanos que estão, segundo ele, sendo humilhados e ameaçados na Bolívia.

Moraes pediu a intervenção da Secretária de Direitos Humanos e a uma audiência pública com os deputados estaduais com a finalidade de buscar ajuda para proteger os acreanos.

Moraes, que visitou ontem (8) a área de fronteira nas proximidades de Capixaba diz que ficou chocado com o clima de guerrilha que vive os brasileiros naquela região. Ele diz que é necessário que algo seja feita, com urgência, pelas autoridades do Brasil para ajudar os brasileiros.

“Este problema nos afeta de forma direta. Somos nós acreanos, os afetados, pois vemos nossos irmãos serem humilhados e ameaçados. Os acreanos que estão na fronteira correm risco de vida, quem nos garante que o Evo Morales não matará os acreanos com a mesma covardia com que fez com os colhas?” questiona.

O deputado socialista questionou ainda o silêncio das autoridades acreanas com respeito aos acreanos que estão sendo expulsos e tendo os bens confiscados pelos bolivianos. “Não entendo porque a Secretaria de Direitos Humanos do Acre faz tanto para ajudar os haitianos e deixar que nossos acreanos sejam humilhados e execrados como estão sendo por esses bolivianos”, afirma.

O pedido de apoio do deputado socialista ecoou na Aleac e o deputado Denílson Segóvia declarou apoio à causa e se colocou a disposição de Moraes para juntos buscarem a realização de uma audiência pública para resolver a questão dos brasileiros que estão sendo obrigados a deixar a Bolívia.

 VEJA MAIS EM : http://www.contilnet.com.br/Conteudo.aspx?ConteudoID=17708

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.