Brasil paga ‘alto preço ecológico’ pelo crescimento, dizem analistas

28 de Março de 2012  - Jaime de Agostinho

Ativos do ‘capital natural’ do País foram reduzidos quase pela metade nos últimos 20 anos.

Índia e Brasil estão pagando um “alto preço” ecológico por conta de seu rápido crescimento econômico nos últimos anos, afirmaram nesta quarta-feira, 28, alguns analistas em meio ambiente, que estão reunidos em Londres na conferência Planet Under Pressure.

Entre 1990 e 2008, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita do Brasil aumentou 34% e o da Índia 120%, um resultado que pode ser tendencioso, afirmaram os cientistas e economistas reunidos. A convenção de Londres é um encontro prévio à Rio+20, cúpula das Nações Unidas, que será realizada no mês de junho, no Rio de Janeiro.

Mas em contraste com a renda per capita, o “capital natural” de ambos os países, que inclui todos seus “ativos” – desde florestas até combustíveis fósseis e minerais -, foi reduzido neste mesmo período 46% no Brasil e 31% na Índia.

No terceiro dia do encontro mundial sobre ecologia, os analistas propuseram uma medida alternativa ao PIB, batizada como Índice de Riqueza Detalhado, que compreende o “capital natural, humano e manufaturado” do país. De acordo com esse índice, o Brasil e a Índia, supostamente duas das economias emergentes mais potentes do planeta, cresceram apenas 3% e 9%, respectivamente, em 18 anos.

“Os casos do Brasil e da Índia ilustram como o Produto Interno Bruto pode ser impreciso como índice para avaliar o progresso econômico a longo prazo”, apontou o professor da Universidade das Nações Unidas (UNU) Anantha Duraiappah.

O economista ressaltou que “um país pode extinguir totalmente seus recursos naturais e registrar ao mesmo tempo um crescimento do PIB” e, por isso, defendeu a necessidade de priorizar um indicador que compreenda todos os aspectos necessários para o “bem-estar humano”, incluindo os fatores sociais e ecológicos.

Duraiappah adiantou que durante a cúpula do Rio de Janeiro será apresentado pela primeira vez os dados sobre a Riqueza Detalhada de 20 países, entre Chile, Colômbia, Equador, Venezuela, Alemanha, Japão, Rússia e Estados Unidos, além da própria Índia e do Brasil.

“Até que os indicadores usados para medir o progresso mudem para poder avaliar a sustentabilidade a longo prazo, o planeta e seus habitantes continuarão sofrendo o peso de políticas de crescimento de curto alcance”, declarou Pablo Muñoz, diretor cientista do grupo de trabalho que desenvolverá os índices de Riqueza Detalhada.

Yvo de Boer, o antigo responsável do Painel Intergovernamental para a Mudança Climática das Nações Unidas, ressaltou que o setor privado deve adaptar seu modelo de negócio aos desafios que serão apresentados nas próximas décadas.

“A escassez sem precedentes de recursos naturais, a alta do preço dos alimentos, os problemas de segurança energética e o crescimento da população, que deverá alcançar os 10 bilhões em 2100, são os principais desafios para a economia global”, aponta De Boer. O especialista em mudança climática afirmou que, se as companhias tivessem que pagar o custo ambiental de suas atividades, teriam perdido 41% de seus lucros em 2010.

FONTE: EFE

Ver: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,brasil-paga-alto-preco-ecologico-pelo-crescimento-dizem-analistas,854435,0.htm


Palavras-chave: , , ,


Deixe um comentário

*