ONU quer mais investimento em ecoturismo para preservar florestas e ajudar comunidades locais

Organização Mundial do Turismo, OMT, diz que um setor sustentável pode ajudar a gerar empregos e renda além de proteger ecossistemas regionais; grupo de agências alerta para riscos dos exageros de turismo em massa.

O ecoturismo organizado tem potencial para gerar renda em comunidades e proteger ecossistemas salvando florestas ameaçadas.

Continuar lendo ONU quer mais investimento em ecoturismo para preservar florestas e ajudar comunidades locais

Gaseificação transforma lixo em energia

Para suprir o problema da destinação dos resíduos sólidos urbanos, que, além de ser um forte poluente da natureza, se tornou um dos obstáculos ao crescimento das grandes indústrias e empresas, uma nova tecnologia de gaseificação transforma esses rejeitos em uma mistura de gases combustíveis, ou seja, energia na forma de gás síntese.

A tecnologia de gaseificação é conhecida desde 1839, quando o químico alemão Karl Gustav Bischof construiu o primeiro gaseificador. Porém, a principal dificuldade sempre foi em produzir um gás de alto poder calórico e de composição química  constante independente do material de entrada, que aceitasse variação de umidade na composição do material de entrada, baixa emissão de poluentes atmosféricos e que ainda fosse capaz de eliminar o alcatrão (óleos de composição complexa) no seu gás resultante.

Transformação do lixo em energia

Continuar lendo Gaseificação transforma lixo em energia

Senado aprova criação de ‘Bolsa Verde’ para ações de preservação do meio ambiente

Foi aprovada por unanimidade pelo Plenário do Senado nesta quarta-feira (28) a chamada “Bolsa Verde”. A proposta, prevista no Projeto de Lei de Conversão 24/2011, decorrente da Medida Provisória 535/2011, institui o Programa de Apoio à Conservação Ambiental, que concede um benefício trimestral a famílias em situação de extrema pobreza que adotarem ações de conservação ambiental. A MP 535/11 cria também o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, com ajuda de custo e assistência técnica a pequenos produtores rurais. As medidas fazem parte do plano Brasil Sem Miséria, lançado pelo governo federal no início de junho. A PLV agora segue para sanção.

Continuar lendo Senado aprova criação de ‘Bolsa Verde’ para ações de preservação do meio ambiente

Inclusão social, regularização de terras e grandes obras são temas da agenda amazônia para a Rio+20

Organizações não governamentais, movimentos sociais, ambientalistas, representantes de empresas e povos tradicionais da Amazônia apresentaram ontem (27), na capital paraense, as demandas da região para a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), a Rio+20, evento que o Brasil vai sediar em junho de 2012.

O grupo listou 24 propostas para inserir a Amazônia na economia verde, tema chave da conferência. As propostas, definidas no Seminário Regional sobre Economia Verde na Amazônia: Amazônia Rumo à Rio+20, partiram de eixos temáticos como a inclusão social, a regularização fundiária e o debate sobre grandes obras de infraestrutura na região.

Continuar lendo Inclusão social, regularização de terras e grandes obras são temas da agenda amazônia para a Rio+20

Técnicos mapeiam áreas sob risco de alagamentos com Usina de Belo Monte

A possibilidade de áreas alagadas com a subida das águas do rio Xingu gera preocupação e é alvo de levantamento realizado pelo Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA). A expressão cota 100 delimita o nível a que as águas do Xingu podem chegar quando a barragem de Belo Monte for erguida. Moradores do município de Altamira, no oeste do Pará, são ouvidos e recebem orientação sobre o risco de inundações na região.

Ainda que não entendam muito bem o significado técnico, os moradores sabem que quem estiver abaixo disso corre risco de estar entre os deslocados pela usina. Para acompanhar de perto a maneira como a comunidade é tratada pelos construtores, o MPF e a Universidade Federal do Pará (UFPA), realizam desde o ano passado um trabalho independente para levantar e conferir as informações do empreendimento sobre as áreas alagáveis na cidade.

Previsão de alagamento em usinas na Amazônia

Continuar lendo Técnicos mapeiam áreas sob risco de alagamentos com Usina de Belo Monte

Ouro poderá ser mais sustentável. Novas certificações prometem diminuir o impacto da produção aurífera

Tradicionalmente as minas de ouro geram um grande impacto ambiental, mas essa prática tende a mudar com novos padrões de certificações. Com os selos de Fairtrade e Fairmined, são estabelecidos critérios sociais, ambientais e econômicos para impedir o uso de mão de obra infantil, o emprego de mercúrio e cianeto, além de evitar a destruição causada pela estrutura da mina.

Os selos prometem ajudar 100 milhões de pessoas diretamente envolvidas com a mineração, geralmente trabalhadores que usam o processo artesanal em pequena escala por um preço menor. A Green Leaf Gold é uma das empresas que está ajudando a treinar mineradores para conscientizá-los sobre a responsabilidade do desenvolvimento sustentável na área. Ela promete jóias produzidas sem mercúrio e cianeto, pagando quase o dobro dos salários comuns que seriam de aproximadamente U$ 300 para pequenas minas da América do Sul.

Essa iniciativa cobre apenas pequenas escalas e artesãos, um total de 15% da produção global de ouro. Por enquanto, esse ouro mais sustentável está sendo produzido somente na Bolívia, Colômbia, Equador e Peru, segundo a Fairtrade. Estima-se que em dois anos serão incluídas minas da Ásia e África.

Dilma Rousseff lança “Bolsa Verde” em Manaus

“O lançamento oficial do programa Bolsa Verde, em Manaus, é muito mais que simbólico. Na verdade, o ato da presidente Dilma Rousseff é um reconhecimento pelo trabalho que vem sendo desenvolvido há quatro anos pelo Governo do Amazonas”. A afirmação é do senador Eduardo Braga que, em junho de 2007, na época governador do Estado, criou o Bolsa Floresta, modelo que serviu de base para elaboração do programa do Governo Federal que será lançado amanhã (28) pela presidente da República, em solenidade no Teatro Amazonas.

A justificativa do programa Bolsa Verde, traz a mesma essência do Bolsa Floresta do Amazonas: o apoio financeiro às famílias em situação de extrema pobreza que promovem a conservação ambiental nas áreas onde vivem e trabalham. De acordo com dados do Governo Federal, das 16,2 milhões de pessoas que vivem em situação de extrema pobreza no Brasil, 47% estão na área rural.

Continuar lendo Dilma Rousseff lança “Bolsa Verde” em Manaus

Código Florestal pode ser votado na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado em 20 dias

O projeto de reforma do Código Florestal poderá ser votado em até 20 dias na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT), já com contribuições para o aperfeiçoamento do texto. A previsão é do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), presidente da CCT, a segunda comissão do Senado que analisará a matéria. O projeto foi aprovado na pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) na última quarta-feira (21).

– Espero que em 15, 20 dias esteja resolvido na CCT. E tenho a convicção de que vamos avançar – frisou ele, ao ressaltar entendimentos para inclusão de incentivos econômicos e financeiros visando à manutenção e recomposição de florestas.

Novas emendas podem alterar o Código Florestal

Continuar lendo Código Florestal pode ser votado na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado em 20 dias

Índios Guarani-Kaiowá resistem à ordem de remoção em fazenda que consideram terra ancestral

Cerca de 40 famílias de índios Guarani-Kaiowá, aproximadamente 150 indígenas da comunidade Laranjeira Nhanderú, tentam desde fevereiro de 2008 ocupar uma reserva legal no fundo da Fazenda Santo Antônio da Nova Esperança, em Rio Brilhante, sul de Mato Grosso do Sul. Conforme o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), instituição ligada à Igreja Católica, os índios acreditam que ali é sua terra ancestral.

Um dos proprietários da fazenda, Júlio César Cerveira, disse à Agência Brasil que as terras pertencem à sua família desde o final da década de 1960 e que há, na região, títulos datados do século 19. “Nunca teve índio ali”, assegurou. Júlio César é um dos seis integrantes da família que alega ser proprietária da fazenda. Eles conseguiram na 2ª Vara da Justiça Federal em Dourados a reintegração de posse da área reivindicada pelos indígenas.

A ordem, do juiz federal substituto Márcio Cristiano Ebert, estabelecida no dia 27 de julho, é para que os índios desocupassem a área até o final de agosto. Segundo o juiz, cabe à Fundação Nacional do Índio (Funai) comunicar a decisão aos afetados pela medida, bem como providenciar o transporte dos índios para um terreno público, oferecido pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Dois técnicos da Funai estiveram na última esta sexta-feira (23) na área ocupada.

Conforme o coordenador do Cimi em Mato Grosso do Sul, Flávio Vicente Machado, a área ofertada não serve para acolher os indígenas. “Não tem mata, não tem água. Ir para aquele lugar não é uma hipótese que os índios considerem”, avaliou. O terreno foi oferecido pelo Dnit, em setembro de 2009, quando os índios estavam acampados às margens da BR-163, após terem sido despejados pela primeira vez da Fazenda Santo Antônio da Nova Esperança. Os índios voltaram para a fazenda após o Dnit conseguir na Justiça que fossem removidos da beira da estrada.

Para o advogado do Cimi, Rogério Batalha Rocha, “o Judiciário não está ponderando a demora da Funai em concluir o processo de identificação de terras indígenas em Mato Grosso do Sul”, disse referindo-se aos estudos de identificação e demarcação de seis terras indígenas nas bacias dos rios Apa, Dourados, Brilhante, Ivinhema, Iguatemi e Amambaí. Segundo ele, o processo de demarcação deveria ter sido concluído no primeiro trimestre deste ano.

De acordo com a Procuradoria Regional da República da 3ª Região (Ministério Público Federal), os estudos em curso indicam que “a parte da Fazenda Santo Antônio da Nova Esperança é área de ocupação tradicional do grupo que ali se instalou pelo que os direitos daquela comunidade restam intactos, porquanto imprescritíveis e podem ser exercidos desde já”.

A fazenda está arrendada para terceiros que se dedicam à lavoura de arroz e à pecuária. A propriedade tem cerca de 450 hectares e a área reivindicada pelos índios tem uma área estimada em 30 hectares. Para Cerveira, um dos donos do imóvel, é impossível o convívio com os índios. “Eles incomodam.”

Em Mato Grosso do Sul, vivem cerca de 45 mil índios das etnias Guarani-Kaiowá e Guarani-Nhandéwa. Cerca de 3 mil índios vivem em 22 acampamentos de beira de estrada nas rodovias do estado.

 

Amazônia perdeu área de 150 parques do Ibirapuera em agosto, diz ONG

A Amazônia perdeu em agosto 240 km² de cobertura vegetal, de acordo com levantamento divulgado nesta sexta-feira (23) pela organização ambiental Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que faz um monitoramento paralelo ao do governo federal.

É como se a floresta perdesse em um mês uma área do tamanho de 150 parques do Ibirapuera, localizado na cidade de São Paulo. O número 15% superior ao mesmo período do ano passado, segundo o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), que analisa o desmatamento através de imagens de satélite.

No mês passado, em julho, o Imazon havia detectado redução de 40% no desmatamento, o que segundo os pesquisadores seria resultado das ações de fiscalização contra crimes ambientais na região da AmazôniaLegal.

Continuar lendo Amazônia perdeu área de 150 parques do Ibirapuera em agosto, diz ONG

Rio lança campanha para preservar animais ameaçados de extinção

Rio de Janeiro – O governo do Rio de Janeiro lançou, nesta sexta-feira (23), a campanha Defesa das Espécies Ameaçadas – Abrace essas Dez. O objetivo é preservar dez espécies animais ameaçadas de extinção no estado. Entre elas, estão o mico-leão-dourado, a preguiça-de-coleira e a jacutinga. O governo distribuirá cartilhas em escolas, universidades, prefeituras e delegacias de polícia. Cartazes com fotos dos animais também serão afixados nesses locais.

Segundo o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, a campanha vai apoiar pesquisadores que estudam as dez espécies ameaçadas e traçar um plano para preservá-las. O governo, assinalou, também está preocupado com mais 267 espécies que correm o risco de extinção.

A lista dos dez animais ameaçados de extinção inclui, além do mico-leão-dourado, da preguiça-de-coleira e da jacutinga, o cágado-do-paraíba, formigueiro-do-litoral, boto-cinza, lagarto-branco-da-areia, muriqui, surubim-do-paraíba e o tatu canastra.

 

Fonte: Agência Brasil

Quanto custa o saboroso bife amazônico

A indústria pecuária é um dos contribuintes mais importantes para o agravamento da mudança climática. A crescente capacidade dos consumidores leva à substituição dos cereais por carne e produtos lácteos na dieta. Esta tendência, combinada com práticas de produção insustentáveis, particularmente na Amazônia brasileira, pode levar ao colapso da selva úmida e dos serviços de equilíbrio ambiental que presta ao planeta.

O informe 2009 da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) diz que a expansão da atividade pecuária responde por 18% das emissões de gases-estufa, e do desmatamento em alguns países, enquanto gera menos de 2% do produto bruto mundial. Esta escassa contribuição ao produto mundial exige, no entanto, 26% das terras livres de gelo para pastagem e 33% das terras agrícolas para produzir o alimento consumidopelogado.

Continuar lendo Quanto custa o saboroso bife amazônico

1.100 meninas são exploradas sexualmente em campos de mineração peruanos

Mais de 1.100 adolescentes têm sido exploradas sexualmente em campos de mineração ilegais nas selvas do sudeste peruano.

Continuar lendo 1.100 meninas são exploradas sexualmente em campos de mineração peruanos

Obras da hidrelétrica colíder embargadas em MT

A usina hidrelétrica (UHE) Colíder, que está sendo construída pela Copel no Mato Grosso, teve as obras embargadas por não cumprir determinações da justiça, segundo informações do Ministério Público Estadual (MPE) divulgadas em nota para a imprensa.

A Secretaria de Estado e de Meio Ambiente (Sema) do Mato Grosso embargou as obras da usina seguindo recomendações do MPE. A Copel também foi multada em R$ 1,2 milhão, após a fiscalização de promotores e representantes do Sema no canteiro de obras da usina na terça-feira.

O MPE afirma também que a Copel não cumpriu a decisão judicial que suspendeu as obras da usina em agosto, devido à ausência de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS). Além disso, a Copel também teve o licenciamento da usina suspenso pela Sema, em 13 de setembro.

“A Copel foi notificada para sanar dezenas de irregularidades nas áreas de engenharia e meio ambiente, incluindo a execução e implementação do PGRS”, disse o promotor de Justiça Marcelo Caetano Vacchiano.

“Entre as irregularidades detectadas está a ausência de comprovação, por parte da Copel, de acordos com os proprietários das áreas que serão alagadas, contratação de profissionais sem Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) responsáveis pela execução dos Programas Básicos Ambientais que, por seu turno, não possuem cronogramas de execução”, acrescentou o promotor na nota.

Os 8 mil empregos diretos e indiretos na região da usina, previstos nos estudos ambientais, acarretariam impactos ambientais e sociais negativos para a área, de acordo com os promotores. Segundo eles, os municípios de Colíder e Nova Canaã do Norte não estão suficientemente aparelhados para receberem este fluxo populacional.

A UHE Colíder é um dos aproveitamentos do rio Teles Pires, com 300 MW de potência instalada, licitada em 2010. Os investimentos previstos na usina são de cerca de R$ 1,26 bilhão.

Em Paris, cacique Raoni busca apoio contra Belo Monte

Na tentativa de impedir as obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, o cacique caiapó Raoni foi à França para fazer campanha contra o projeto. Usando trajes típicos de sua etnia e com cocar, o líder indígena pretende ficar em Paris até outubro. A campanha de Raoni conta com o apoio de atores como Marion Cotillard e Vincent Cassel, além do diretor James Cameron, do filme Avatar.

Durante sua estada em Paris, Raoni receberá o título de cidadão de honra. Ao chegar ontem à capital francesa, ele recebeu uma relação com mais de 100 mil assinaturas em apoio ao fim das obras de Belo Monte. O abaixo-assinado foi lançado há cerca de um ano pelos responsáveis pelo site Raoni.com, baseado na França. Continuar lendo Em Paris, cacique Raoni busca apoio contra Belo Monte

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com