Inpa leva mais 12 peixes-bois do cativeiro para Manacapuru para futuramente serem soltos

10 de agosto de 2017  - Jaime de Agostinho

Após viverem cerca de seis anos no cativeiro, doze peixes-bois jovens e adultos serão levados do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) para um lago, no semi-cativeiro, em Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus) para futuramente serem soltos na natureza. A translocação dos animais, sendo sete fêmeas e cinco machos, terá início na madrugada da próxima terça-feira (15) e prosseguirá na quarta e quinta-feira (16 e 17), quando serão levados quatro animais por dia.

Prevista para iniciar por volta das 3h30 da manhã, a ação envolverá cerca de 10 colaboradores, entre pesquisadores, veterinários, tratadores e técnicos do Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA/Inpa). A saída para Manacapuru, via terrestre, será às 5h da manhã e o retorno está previsto para às 12h do mesmo dia.

A atividade faz parte do Programa de Reintrodução de Peixes-bois da Amazônia, coordenado pela pesquisadora do Inpa, Vera Silva, líder do LMA, e conta com o apoio do Projeto Museu na Floresta, uma parceria entre o Inpa e a Universidade Kyoto, do Japão.

Segundo o responsável pelo Programa, o biólogo e mestre em Biologia de Água Doce e Pesca Interior pelo Inpa, Diogo Souza, as ações tiveram início em 2008 e até agora já foram devolvidos para a natureza 12 animais. Souza conta que no início a reintrodução era feita diretamente do cativeiro para o ambiente natural, mas percebeu-se com os resultados iniciais que os animais tiveram dificuldades de se readaptarem à natureza.

“Desde 2011 implementamos uma nova etapa, chamada de semi-cativeiro, em Manacapuru”, diz o biólogo. “É um lago semi-natural de piscicultura com 13 hectares de extensão (equivalente à área do Bosque da Ciência do Inpa, em Manaus) e profundidade média de 2 metros, que detém as condições ideais para a readaptação gradual dos animais ao ambiente natural”, destaca.

Segundo o biólogo, nesta fase intermediária, os animais podem se alimentar sozinhos e terem a oportunidade de manter contato com outros peixes-bois, já que chegam ao Inpa ainda filhotes. “Este é um grande problema, pois eles chegam aqui, no Instituto, filhotes e muito debilitados após serem resgatados da caça ilegal”, diz Souza.

Na opinião do responsável pelo Programa de Reintrodução de Peixes-bois da Amazônia, esta é a fase mais crucial para a sobrevivência dos animais – a do berçário. “Mas depois que passam dessa fase, se o animal tem sucesso na reabilitação, permanece no cativeiro por um período de até 6 anos”, diz Souza.

Após serem selecionados no cativeiro é feita a etapa de translocação para o semi-cativeiro, onde permanecem por pelo menos um ano. Lá, são feitas capturas anuais, geralmente, em outubro, para avaliar as condições físicas dos indivíduos. A partir daí, os mais aptos são selecionados para serem devolvidos à natureza.

Por Luciete Pedrosa – Ascom Inpa

registrado em:  

 

 

 


Palavras-chave: , , , ,


Deixe um comentário

*