Complexidade muito além dos rios

17 de junho de 2017  - Jaime de Agostinho

O biólogo Ubirajara de Oliveira tinha uma ideia bastante diferente para o doutorado. Ele pretendia usar um modelo que desenvolveu no mestrado para identificar áreas de endemismo de espécies no Brasil. Mas os resultados eram inesperados, não batiam com a hipótese aceita até agora de que os rios limitavam grandes áreas de endemismo na Amazônia.

Foto: Andre Deak/Flickr.

O resultado está em um artigo, publicado em junho na Scientific Reports, no mesmo grupo da Nature. Com base em informações da ocorrência de aves em toda a bacia amazônica, e com a ajuda de computadores, ele pode mostrar que a distribuição de espécies na Amazônia é muita mais complexa do que se imaginava, com fatores como mudanças no clima e variação na altitude que podem contribuir para a existência de dezenas de áreas de endemismo.

Mas modelos com dados mais atuais indicam que outros fatores interferem na diversificação de espécies e surgimento de áreas de endemismo, como demonstra este outro mapa. Fonte: Scientific Reports.

Mas modelos com dados mais atuais indicam que outros fatores interferem na diversificação de espécies e surgimento de áreas de endemismo, como demonstra este outro mapa. Fonte: Scientific Reports.

“No começo, achei que o modelo estava errado”, recorda Ubirajara Oliveira. “Rodei o modelo para as aves da Amazônia Brasileira e depois aumentei a amostragem com espécies de outros países. Continuou não batendo”. Depois disso, ele resolveu usar outros dois métodos conhecidos. O resultado era semelhante.

Os modelos demonstravam que a maior parte dos rios não eram limites que faziam da floresta uma grande concha de retalhos, com cada interflúvio abrigando um conjunto diferente de espécies de aves. Na verdade, apenas os maiores cursos d’água, Solimões, Madeira e Amazonas, cumpriam esse papel. Ubirajara de Oliveira conta que é um padrão semelhante ao observado para primatas por Alfred Wallace no século XIX.

Mais do que isso, ele identificou também uma complexa combinação de áreas de endemismo definidas não por rios, mas por outros fatores, com zonas menores dentro de maiores, numa combinação que é chamada, segundo ele, de boneca russa, dada a semelhança com o tradicional brinquedo.

“Estes resultados têm uma implicação muito grande para a conservação”, afirma o biólogo. “A gente tem áreas de endemismo muito pulverizadas e muito pequenas. Isso cria a necessidade de muitas unidades de conservação”, defende.

Este mapa ilustra a hipótese clássica, com os rios criando barreiras e dando origens a áreas de endemismo. Cada interflúvio teria um conjunto próprio de espécies. Crédito: Divulgação.

Este mapa ilustra a hipótese clássica, com os rios criando barreiras e dando origens a áreas de endemismo. Cada interflúvio teria um conjunto próprio de espécies. Crédito: Divulgação.

 

Por Vandré Fonseca 

quarta-feira, 14 junho 2017 

 

Saiba Mais

Artigo: Biogeography of Amazon birds: rivers limit species composition, but not areas of endemismo. Ubirajara Oliveira, Marcelo F. Vasconcelos, Adalberto J. Santos.

Nota da Ecoamazônia:  Texto recebido por e-mail.

 

 


Palavras-chave: , , ,


Deixe um comentário

*