Ouro poderá ser mais sustentável. Novas certificações prometem diminuir o impacto da produção aurífera

27 de setembro de 2011  - Eduardo Dantas

Tradicionalmente as minas de ouro geram um grande impacto ambiental, mas essa prática tende a mudar com novos padrões de certificações. Com os selos de Fairtrade e Fairmined, são estabelecidos critérios sociais, ambientais e econômicos para impedir o uso de mão de obra infantil, o emprego de mercúrio e cianeto, além de evitar a destruição causada pela estrutura da mina.

Os selos prometem ajudar 100 milhões de pessoas diretamente envolvidas com a mineração, geralmente trabalhadores que usam o processo artesanal em pequena escala por um preço menor. A Green Leaf Gold é uma das empresas que está ajudando a treinar mineradores para conscientizá-los sobre a responsabilidade do desenvolvimento sustentável na área. Ela promete jóias produzidas sem mercúrio e cianeto, pagando quase o dobro dos salários comuns que seriam de aproximadamente U$ 300 para pequenas minas da América do Sul.

Essa iniciativa cobre apenas pequenas escalas e artesãos, um total de 15% da produção global de ouro. Por enquanto, esse ouro mais sustentável está sendo produzido somente na Bolívia, Colômbia, Equador e Peru, segundo a Fairtrade. Estima-se que em dois anos serão incluídas minas da Ásia e África.


Palavras-chave: ,


Deixe um comentário

*