Funai e Seind assinam convênio para atuar conjuntamente entre povos indígenas do Amazonas

6 de julho de 2011  - Luciano Barbosa

O Comitê do Plano de Atuação Integrada entre o governo do Amazonas e a Fundação Nacional do Índio (Funai), cuja criação foi formalizada nesta quarta-feira (06), vai implementar várias ações de atenção aos povos indígenas.

O objetivo é implantar e implementar ações de etnodesenvolvimento nas áreas de educação, saúde, meio ambiente, manejo de recursos naturais, pesquisa, esporte, cultura, infra-estrutura, fomento e desenvolvimento regional, mediante a consulta prévia, informada, livre e esclarecida dos povos indígenas, no âmbito do Programa Amazonas Indígena e Programa Proteção e Promoção dos Povos Indígenas.

A solenidade que marcou a criação do comitê foi realizada no Auditório da Defensoria Pública do Estado (DPE), no Centro de Manaus, com a presença de representantes de várias secretarias estaduais, lideranças indígenas, instituições de ensino, Exército, Banco do Brasil e da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab).

Presidido pelo secretário da Seind, Bonifácio José Baniwa, uma das propostas do comitê é que o Programa Amazonas Indígena funcione de forma multisetorial.

Nesse sentido, a nova instância enviará um documento a cada secretaria parceira, solicitando que incluam no seu Plano Plurianual (PPA), as diretrizes do programa, além das demandas das organizações indígenas.

O resultado será apresentado na próxima reunião do comitê, marcada para o dia 8 de agosto. Em princípio, no auditório da DPE.

Além de Seind, Funai/Brasília, Funai/Manaus e Coiab, o comitê é formado por representantes de 30 instituições, entre as quais a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), o Ibama e as Secretarias de Estado de Desenvolvimento Sustentável (SDS), de Governo (Segov), de Ciência e Tecnologia (Sect), de Educação (Seduc), de Produção Rural (Sepror) e de Assistência Social (Seas).

Cooperação

A parceria do Governo do Estado com a Funai é fruto do Termo de Cooperação Técnica, firmado em novembro de 2009 – durante a realização do Fórum Amazonas Indígena (Forind) – e publicado no dia 25 de fevereiro de 2010, no Diário Oficial da União.

A cooperação nasce com base nos direitos adquiridos pelos povos indígenas, conforme o artigo 231, da Constituição Federal; a Convenção 169 da Organização Iternacional do Trabalho (OIT) e o estabelecido na Declaração Universal dos Povos Indígenas da Organização das Nações Unidas (ONU).

As discussões que criaram a matriz institucional do comitê foram realizadas na “Oficina de Articulação para Atuação Integrada”, em abril do ano passado, num hotel da cidade.

As principais propostas nortearam o plano estratégico de ação e, no dia 10 de março de 2011, foi publicado o Decreto Estadual número 31.052, que institui o Comitê Gestor. O apoio administrativo e os meios necessários à execução dos trabalhos ficam a cargo da própria Seind.

Menos burocracia

De acordo com Bonifácio José, o comitê chega para encurtar as distâncias do atendimento e fazer com que os benefícios cheguem às comunidades indígenas.

Mas, conforme o secretário, um problema deve ser superado no meio do caminho: a burocracia. “Por conta da legislação brasileira, já tem projeto com dois anos que ainda não foi colocado em prática”, lamentou.

Para a Funai, a proposta é criar agendas de trabalho e definir as estratégias que cheguem às comunidades de forma articulada.

“Se a gente tem isso claro, poderemos dialogar com outros possíveis parceiros que possam ajudar no processo, cada um com o seu papel e com uma agenda unificada no comitê”, explicou o assessor da presidência da Funai/Brasília, Francisco Pyanko.

“O governo federal tem bilhões de investimentos entre os indígenas, mas precisamos saber o quanto está sendo investido, se é pouco ou muito, ou se vamos precisar de mais recursos para avançar nessa agenda”, destacou.

Mobilização

A Seind espera otimizar os esforços para que todo o trabalho desenvolvido pelo comitê seja feito em parceria entre governo, povos indígenas, iniciativa privada e instituições de ensino.

“Estive recentemente no Canadá e pude constatar a experiência de outros povos, que tem alcançado os seus objetivos”, disse Bonifácio José. “Temos 64 povos, com 30% de todo o território do Estado e queremos contribuir, como governo, para que seja utilizado de forma útil, sustentável, em benefício de todos”.

Fonte: A Crítica


Palavras-chave: , , , ,


Deixe um comentário

*