Roraima enfrenta desabastecimento por causa da cheia

11 de junho de 2011  - Jaime de Agostinho

O governo de Roraima antecipou as férias de meio de ano da rede estadual de ensino por causa das enchentes e a população começa a enfrentar desabastecimento.

O nível do Rio Branco está mais de dez metros acima do normal. Três rodovias federais estão parcialmente interditadas. Na mais importante delas, a BR-174, que liga Roraima ao estado do Amazonas, só se consegue passar de barco.

Ao menos 355 mil pessoas e 15 municípios foram afetados pelas chuvas no Estado.

Com o caminho bloqueado, o transporte de produtos e passageiros será feito pelos rios. “Vamos atuar nesse sentido de orientar a navegação segura entre esses trechos, porque são várias pedras, várias cachoeiras”, explica o capitão Odilon Andrade Neto, da Capitania dos Portos do Amazonas.

Mais de 1,2 mil pessoas já foram obrigadas a sair de casa. Estão em abrigos ou na casa de parentes. “A água subiu muito rápido. Quando a gente acordou de noite, a água já tinha invadido a casa”, explica a desabrigada Lia Barros.

Por causa da enchente, as férias de toda a rede estadual de ensino foram antecipadas. Quase 90 mil alunos pararam de estudar. Segundo a Secretaria Estadual de Educação, as aulas vão começar no dia quatro de julho, mas só se a água baixar.

A população já começa a enfrentar desabastecimento: falta gás de cozinha e gasolina em alguns postos de Boa Vista.

No município de Caracaraí, a 130 quilômetros da capital, a água do rio chegou à porta do único hospital da região. Os pacientes tiveram que ser transferidos. “O hospital está se deslocando para uma escola cedida do governo, porque a gente está percebendo que a água vai entrar e a gente está tendando dar soluções para esse tipo de problema”, conta Gleisson Sabóia, da Secretaria de Saúde de Caracaraí.

O ministro da Integração Nacional, que esteve em Roraima, anunciou a liberação de R$ 15 milhões que serão destinados, principalmente, para a recuperação das estradas.

Fonte: G1

_________

FAB entrega 10 t de cestas básicas às vítimas das enchentes de Roraima

 

Uma aeronave C-130 da FAB (Força Aérea Brasileira) levará, na tarde desta sexta-feira (10), dez toneladas de cestas básicas para as vítimas das chuvas em Roraima. Ao menos 8.500 pessoas estão desabrigadas, e outros 41.583 moradores estão desalojados.

O avião sairá de Manaus, na Amazônia, com destino à Boa Vista (RR). O material foi arrecadado pela Defesa Civil do Amazonas. O governo federal anunciou nesta quinta-feira (9) que doará R$ 15 milhões para reconstrução dos municípios atingidos.

Pelo menos 15 cidades estão em situação de emergência em Roraima por causa da chuva. No último dia 5, o governador José de Anchieta decretou calamidade pública em todo o Estado. Os municípios em emergência são: Amajari, Alto Alegre, Boa Vista, Bonfim, Cantá, Caracaraí, Caroebe, Iracema, Mucajaí , Normandia, Pacaraima, Rorainópolis, São João Da Baliza, São Luís do Arauá e Uiramutã.

De acordo com a assessoria de imprensa da Defesa Civil, as cidades do sul de Roraima são as mais atingidas. Ainda segundo o órgão, as chuvas são típicas do período considerado como inverno no Estado, que vai de maio a julho. Para este ano, há previsão que haja chuva forte em agosto também.

Fonte: R7


Palavras-chave: ,

Uma Resposta para “Roraima enfrenta desabastecimento por causa da cheia”


  1. Lucas Guimarães Disse:

    Tenho 55 anos e não me lembro de uma cheia assim no Rio Branco! Deus ajude o povo de Roraima!


Deixe um comentário

*