Desmate cai após gabinete de crise

7 de junho de 2011  - Jaime de Agostinho

Pouco mais de duas semanas após a criação do gabinete de crise para combater o aumento do desmatamento na Amazônia, os satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que o ritmo das motosserras diminuiu a ponto de afastar a expectativa de que o abate de árvores em 2011 fosse maior do que o dos dois anos anteriores.

No auge da crise, quando os satélites apontaram que o desmatamento havia quintuplicado em março e abril, o governo chegou a estimar que a taxa anual poderia alcançar 8,8 mil quilômetros quadrados em 2011.

Area desmatada em Nova Ipixuna

Isso significaria ultrapassar os índices de 2009 e 2010, dois recordes sucessivos, de 7.464 quilômetros quadrados e 6.451 km2, respectivamente. A taxa anual é medida entre agosto de um ano e julho do ano seguinte.

Caso confirmada a expectativa do governo quando criou o gabinete de crise, estaria ameaçado um dos principais compromissos de redução das emissões de gases de efeito estufa, objeto de lei aprovada pelo Congresso Nacional em 2009, que prevê a redução em 80% do desmatamento na Amazônia.

“Ainda é cedo para afirmar se teremos uma taxa anual inferior ou um pouco superior à do ano passado”, comentou a ministra Izabella Teixeira, do Meio Ambiente. O Inpe só divulgará a taxa oficial de desmatamento de 2011 no final do ano.

De acordo com dados do Inpe, o desmatamento nos municípios que registraram situação recente mais crítica – Sinop, Cláudia, Santa Carmem, Feliz Natal, Nova Ubiratã e Porto dos Gaúchos -, o ritmo das motosserras caiu de 175 quilômetros quadrados para 17 km2.

No Estado do Pará, onde as nuvens atrapalhavam as imagens de satélite, o desmatamento não explodiu, como temia o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“Podemos afirmar que a situação está sob controle”, afirmou ontem o presidente do Instituto, Curt Trennepohl.

Atuação. O Ibama contabiliza 23 frentes de ação contra o desmatamento nos Estados de Mato Grosso, Pará, Amazonas, Rondônia, Acre e Maranhão. Mais de 700 homens estão em campo.

Até o final do mês de maio, o instituto já havia embargado 40 mil hectares de terras e aplicado multas no valor de R$ 296 milhões. Durante as operações, foram apreendidos 81 caminhões, 60 tratores, 46 mil metros cúbicos de madeira, 5,4 mil cabeças de gado e 2,5 mil toneladas de grãos.

Fonte: Estadao.com


Palavras-chave:


Deixe um comentário

*