Campo já sofre com queimadas

29 de junho de 2011  - Luciano Barbosa

Equipe do Greenpeace registra queimada em Nova Ubiratã (MT)©Rodrigo Baleia/Greenpeace Mesmo antes da “temporada” das queimadas, que acontece normalmente entre julho e setembro, época da seca, as florestas – ou o que restam delas – já sofrem com as queimadas. No início de junho já havia a detecção de regiões afetadas pelo fogo. Em sobrevôo feito por uma equipe do Greenpeace, foi possível observar no estado do Mato Grosso focos de queimadas em grandes áreas recém-desmatadas.

O campaigner do Greenpeace Rafael Cruz relata que durante o sobrevôo foi possível ver focos de calor. “São queimadas provocadas, que tem como objetivo o plantio. Incêndio natural é muito pouco, residual. A grande maioria é provocado”.

Cruz conta que viu desmatamentos gigantescos, entre eles um de 1400 hectares no município de Nova Ubiratã (MT). “São áreas muito grandes desmatadas em plena época de chuva, o que é atípico. Normalmente isso acontece entre julho e outubro”, afirma o campaigner, que acredita que o desmate fora de época é mais um forte indício da corrida pelo código florestal dos ruralistas, aprovado na Câmara e agora em tramitação no Senado.

“Eles desmatam com correntão, enfileiram as árvores derrubadas e queimam. Aí a área fica livre para plantio. Os agricultores estão investindo. Fazer isso custa caro. É tudo preparação para solo, para plantação de arroz e soja”, diz.

Assim como a equipe do Greenpeace, satélites da NASA também registraram incêndios. Segundo a agência espacial, nas últimas 24 horas foram detectados mais de 10.500 focos de queimadas nas matas brasileiras.

A situação, que já não está favorável ao meio ambiente, pode ser agravada ainda mais. O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), declarou esta semana que 2011 poderá ser o ano das queimadas. Responsável pela gestão do Prevfogo, sistema nacional de prevenção aos incêndios florestais, o órgão anunciou que áreas de mata nativa que foram derrubadas podem ser atingidas por incêndios clandestinos, no intuito de limpar terrenos para dar espaço à agricultura.

Segundo o Ibama, o Brasil vai sofrer uma explosão de focos de queimadas, principalmente em áreas de desmatamentos, que este ano atingiu recorde histórico. “O fogo é a forma de manejo mais utilizada para limpeza de terrenos antes da implantação de pastagem. O Mato Grosso poderá registrar mais ocorrências porque até agora é o estado que mais desmatou”, afirmou José Carlos Mendes de Morais, coordenador do Prevfogo.

Dados divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente mostram que dos 593,0 km² de desmatamento detectados entre março e abril na região da Amazônia legal, 480,3 km² ficam em Mato Grosso. Uma das regiões mais afetadas foi a fronteira entre o Cerrado e a Amazônia.


Palavras-chave: , , ,


Deixe um comentário

*